Total de visualizações de página

quarta-feira, 25 de fevereiro de 2009

O Propósito de Deus Para Sua Igreja

A igreja é o instrumento apontado por Deus para a salvação dos homens. Foi organizada para servir, e sua missão é levar o evangelho ao mundo. Desde o princípio tem sido plano de Deus que através de Sua igreja seja refletida para o mundo Sua plenitude e suficiência. Aos membros da igreja, a quem Ele chamou das trevas para Sua maravilhosa luz, compete manifestar Sua glória. A igreja é a depositária das riquezas da graça de Cristo; e pela igreja será a seu tempo manifesta, mesmo aos “principados e potestades nos Céus” (Efés. 3:10), a final e ampla demonstração do amor de Deus.

Muitas e maravilhosas são as promessas citadas nas Escrituras com respeito à igreja. “Porque a Minha casa será chamada casa de oração para todos os povos.” Isa. 56:7. “E a elas, e aos lugares ao redor do Meu outeiro, Eu porei por bênção; e farei descer a chuva a seu tempo: chuvas de bênção serão.” “E lhes levantarei uma plantação de renome, e nunca mais serão consumidas pela fome na Terra, nem mais levarão sobre si o opróbrio dos gentios. Saberão, porém, que Eu, o Senhor seu Deus, estou com elas, e que elas são o Meu povo, a casa de Israel, diz o Senhor Jeová. Vós, pois, ó ovelhas Minhas, ovelhas do Meu pasto: homens sois, mas Eu sou o vosso Deus, diz o Senhor Jeová.” Ezeq. 34:26 e 29-31.

“Vós sois as Minhas testemunhas diz o Senhor, e o Meu servo, a quem escolhi; para que o saibais, e Me creiais, e entendais que Eu sou o mesmo, e que antes de Mim deus nenhum se formou, e depois de Mim nenhum haverá. Eu, Eu sou o Senhor, e fora de Mim não há Salvador. Eu anunciei, e Eu salvei, e Eu o fiz ouvir, e deus estranho não houve entre vós, pois vós sois as Minhas testemunhas, diz o Senhor; Eu sou Deus.” Isa. 43:10-12. “Eu o Senhor te chamei em justiça, e te tomarei pela mão e te guardarei, e te darei por concerto do povo, e para luz dos gentios; para abrir os olhos dos cegos, para tirar da prisão os presos, e do cárcere os que jazem em trevas.” Isa. 42:6 e 7.

“No tempo favorável te ouvi e no dia da salvação te ajudei, e te guardarei, e te darei por concerto do povo, para restaurares a terra, e lhe dares em herança as herdades assoladas: para dizeres aos presos: Saí; e aos que estão em trevas: Aparecei: eles pastarão nos caminhos, e em todos os lugares altos terão o seu pasto. Nunca terão fome nem sede, nem a calma nem o sol os afligirá; porque o que Se compadece deles os guiará, e os levará mansamente aos mananciais das águas. E farei de todos os Meus montes um caminho; e as Minhas veredas serão exaltadas. “Exultai, ó Céus, e alegra-te tu, Terra, e vós, montes, estalai de júbilo, porque o Senhor consolou o Seu povo, e dos Seus aflitos Se compadecerá. Mas Sião diz: Já me desamparou o Senhor, e o Senhor Se esqueceu de mim. Pode uma mulher esquecer-se tanto de seu filho que cria, que não se compadeça dele, do filho do seu ventre? Mas ainda que esta se esquecesse, Eu, todavia, Me não esquecerei de ti. Eis que nas palmas das Minhas mãos te tenho gravado: os teus muros estão
continuamente perante Mim.” Isa. 49:8-11 e 13-16.

A igreja é a fortaleza de Deus, Sua cidade de refúgio, que Ele mantém num mundo revoltado. Qualquer infidelidade da igreja é traição para com Aquele que comprou a humanidade com o sangue de Seu unigênito Filho. Almas fiéis constituíram desde o princípio a igreja sobre a Terra.

Em cada era teve o Senhor Seus vigias que deram fiel testemunho à geração em que viveram. Essas sentinelas apregoaram a mensagem de advertência; e ao serem chamadas para depor a armadura, outros empreenderam a tarefa. Deus pôs essas testemunhas em relação de concerto com Ele próprio, unindo a igreja da Terra à do Céu. Enviou Seus anjos para cuidar de Sua igreja e as portas do inferno não puderam prevalecer contra Seu povo. Através de séculos de perseguição, conflito e trevas, Deus tem amparado Sua igreja. Nenhuma nuvem sobre ela caiu, para a qual Ele não estivesse preparado; nenhuma força oponente surgiu para impedir Sua obra, que Ele não houvesse previsto. Tudo sucedeu como Ele predisse. Ele não deixou Sua igreja ao desamparo, mas traçou em declarações proféticas o que deveria ocorrer, e aquilo que Seu Espírito inspirou os profetas a predizerem, tem-se realizado. Todos os Seus propósitos serão cumpridos. Sua lei está vinculada a Seu trono, e nenhum poder do mal poderá destruí-la. A verdade é inspirada e guardada por Deus; e ela triunfará sobre toda oposição.

Durante séculos de trevas espirituais a igreja de Deus tem sido como uma cidade edificada sobre um monte. De século em século, através de sucessivas gerações, as puras doutrinas do Céu têm sido desdobradas dentro de seus limites. Fraca e defeituosa como possa parecer, a igreja é o único objeto sobre que Deus concede em sentido especial Sua suprema atenção. É o cenário de Sua graça, na qual Se deleita em revelar Seu poder de transformar corações.

“A que”, perguntava Cristo, “assemelharemos o reino de Deus? ou com que parábola o representaremos?” Mar. 4:30. Ele não podia empregar os reinos do mundo como uma similitude. Na sociedade nada achou com que o pudesse comparar. Os reinos da Terra se regem pela supremacia do poder físico; mas do reino de Cristo são banidos cada arma carnal, cada instrumento de coerção. Este reino deve erguer e enobrecer a humanidade. A igreja de Deus é o recinto de vida santa, plena de variados dons e dotada com o Espírito Santo. Os membros devem
encontrar sua felicidade na felicidade daqueles a quem ajudam e abençoam.

Maravilhosa é a obra que o Senhor Se propõe realizar por intermédio de Sua igreja, a fim de que Seu nome seja glorificado. Um quadro desta obra é dado na visão que teve Ezequiel, do rio de águas purificadoras: “Estas águas saem para a região oriental, e descem à campina, e entram no mar; e, sendo levadas ao mar, sararão as águas. E será que toda a criatura vivente que vier por onde quer que entrarem estes dois ribeiros, viverá.” “E junto do ribeiro, à sua margem, de uma e de outra banda, subirá toda a sorte de árvore que dá fruto para se comer: não cairá a sua folha, nem perecerá o seu fruto: nos seus meses produzirá novos frutos, porque as suas águas saem do santuário; e o seu fruto servirá de alimento e a sua folha de remédio.” Ezeq. 47:8-9 e 12.

Desde o início tem Deus operado por intermédio de Seu povo a fim de trazer bênçãos ao mundo. Para a antiga nação egípcia Deus fez de José uma fonte de vida. Através de sua integridade a vida de todo o povo foi preservada. Por meio de Daniel salvou Deus a vida de todos os sábios de Babilônia. E esses livramentos são como lições objetivas; eles ilustram as bênçãos espirituais oferecidas ao mundo, pela ligação com o Deus a quem José e Daniel adoravam. Todos aqueles em cujo coração Cristo habita, cada um que mostre Seu amor ao mundo, é um cooperador de Deus, para bênção da humanidade. À medida que recebe do Salvador graça para repartila com outros, de seu próprio ser fluem torrentes de vida espiritual.

Deus escolhera Israel para revelar Seu caráter aos homens. Ele queria que eles fossem fontes de salvação no mundo. A eles foram entregues os oráculos do Céu, a revelação da vontade de Deus. Nos primeiros dias de Israel, as nações do mundo, mediante práticas corruptas tinham perdido o conhecimento de Deus. Eles O haviam conhecido antes; mas porque “não O glorificaram como Deus, nem Lhe deram graças, antes em seus discursos se desvaneceram, e o seu coração insensato se obscureceu”. Rom. 1:21. Mas em Sua misericórdia Deus não as riscou da existência. Ele Se propôs dar-lhes nova oportunidade de se familiarizarem com Ele por intermédio de Seu povo escolhido.

Mediante os ensinos do sacrifício expiatório, Cristo devia ser exaltado perante todas as nações, e todos os que olhassem para Ele viveriam. Cristo era o fundamento da organização judaica. Todo o sistema de tipos e símbolos era uma compacta profecia do evangelho, uma representação em que se continham as promessas de redenção.



Extraido do livro atos dos apostolos pag 9 à 16 - autor desconhecido

Restauração

Os teus mortos viverão, os seus corpos ressuscitarão; despertai e exultai, vós que habitais no pó; porque o teu orvalho é orvalho de luz, e sobre a terra das sombras fá-lo-ás cair. Is 26:19.

Enquanto houver fé, sempre haverá a esperança de dias melhores. As escrituras revelam a promessa de um paraíso, um lugar onde os justos e salvos passarão a eternidade com D'us.

O paraíso é a plena manifestação do Reino, um lugar onde não existe dor, choro, morte e sofrimento. Um lugar onde o pecado não habita e a vida é Eterna.

No principio D'us criou o paraíso e leis para manter a ordem e a harmonia dentro da criação, mas a transgressão do homem a estas leis trouxe um sério dano ao universo físico e espiritual. De modo que não somente a raça humana, mas toda a estrutura do universo passou a sofrer as conseqüências do pecado do homem.

Após a queda do homem D'us tomou o paraíso (Edem) para si, afim de um dia devolve-lo ao homem novamente, mas para que isso aconteça o pecado deve ser tirado do mundo.

Porque a criação ficou sujeita à vaidade, não por sua vontade, mas por causa do que a sujeitou, Na esperança de que, também, a mesma criatura será libertada da servidão da corrupção, para a liberdade da glória dos filhos de Deus. Porque sabemos que toda a criação geme e está juntamente com dores de parto, até agora. E não só ela, mas, nós mesmos, que temos as primícias do Espírito, também gememos em nós mesmos, esperando a adopção, a saber, a redenção do nosso corpo. Porque em esperança somos salvos. Ora, a esperança que se vê não é esperança; porque, o que alguém vê, como o esperará? Rm 8:20-24

Toda a natureza sofre as conseqüências do pecado do homem, não porque ela quis, mas por causa que estava sujeita ao homem. Mas não somente a criação e também os filhos de D'us aguardam na esperança e na fé que um dia voltarão ao seu estado original. Toda a criação aguarda ansiosamente pela a restauração.

Certa vez ouvi um médico dizer que o corpo humano é tão perfeito e complexo que certamente foi criado para nunca morrer. A bíblia diz que o homem é a obra prima da criação, pois foi feito a imagem e semelhança de D'us. Creio que o primeiro homem (Adão) era perfeito, possuía uma inteligência moral elevadíssima de modo que poderia usar 100% da sua capacidade de pensar. Cientistas afirmam nos dias de hoje que o ser humano só usa 10% do seu cérebro, ou seja, mesmo com toda tecnologia e desenvolvimento o ser humano ainda não usa a sua capacidade total de pensar.

Certamente ao longo da historia o homem não evoluiu moralmente, pois a cada dia vemos o mundo cada vez pior. A raça humana vem se degradando mais a cada dia. (São guerras, fome, miséria, roubos, idolatrias, adultérios, destruição da natureza...).

D'us criou a natureza a fim de produzir sustentabilidade para a raça humana, o homem foi criado para governar sobre a natureza, mas ao invés de cuidar ele passou a destruir.

Ao longo do tempo o ser humano desenvolveu técnicas e tecnologias para facilitar o seu trabalho e para manter sua própria sobrevivência. O homem vem tentando preencher este vazio deixado pela queda. O homem perdeu o conhecimento moral e passou a desenvolver uma inteligência apenas racional.

A bíblia diz que a todo o tempo D'us esta em busca do homem, ele não abandonou a criação, de modo que enviou seu único filho para redimir o homem, restaurar a natureza e tirar o pecado do mundo.

Nisso se baseia a nossa fé. A fé é o firme fundamento das coisas que não se vêem e a certeza daquilo que se espera. Hb 11 – não somente aguardamos a redenção da criação, assim como também trabalhamos para que isso aconteça, somos agentes de D'us nesta terra e proclamadores do Reino do Messias.

Amem!!!!!!!

Por Giliardi Rodrigues

segunda-feira, 9 de fevereiro de 2009

Jesus (Yeshua) – O Messias

Por Giliardi Rodrigues


Messias: Pessoa a quem D'us comunica algo de seu poder e/ou autoridade. Pessoa esperada ansiosamente. (Dicionário Aurélio – FNDE/PNLD2001 - 4ª edição revista e ampliada).
[Do hebraico. mashiach, ‘ungido’, pelo lat. messias.]

O Messias é alguém muito esperado por todas as nações sendo enviado da parte de D'us para estabelecer ordem no mundo. O Messias é um ser especial, que embora tendo natureza humana não é um homem comum e tendo natureza divina não é o D'us pai.

Sabemos que todas as coisas visíveis e invisíveis foram criadas por D'us para o seu filho amado. O Messias estava com o Eterno no principio de tudo de modo que o próprio D'us estabeleceu o universo para ele, através dele e sem ele nada do que foi feito se fez. 1Jo 1:2-3

Porque nele foram criadas todas as coisas que há, nos céus e na terra, visíveis e invisíveis, sejam tronos, sejam dominações, sejam principados, sejam potestades: tudo foi criado por ele e para ele; E ele é antes de todas as coisas, e todas as coisas subsistem por ele - Cl 1:16-17

O Messias de fato exerce um papel primordial sobre a criação, de outro modo todas as coisas existentes não poderiam existir. Ele é o mediador entre a criação e o criador, sendo assim sacerdote, rei e profeta. (características próprias do Mashiach).

Segundo estudiosos da bíblia o homem foi criado imagem de D'us e semelhança do Messias, pois D'us é espírito e não tem forma, apenas o Messias tem forma humana. Assim como D'us deu ao Messias o governo sobre toda a criação, o mesmo D'us deu ao homem através do Messias autoridade para governar sobre a terra.

Infelizmente o homem não consegue cumprir o papel de gestor da criação, em vez de submeter à criação ao seu governo exaltando assim ao D'us criador e ao Messias, o homem é submetido pela a sua própria vaidade, tornando assim submisso a uma natureza limitada e pecaminosa.

Devemos pensar que tudo o que D'us fez perfeito, e criou para ser eterno, inclusive ao homem. O ser humano foi feito imagem e semelhança do eterno e de seu filho ungido, consequentemente sendo criado para nunca morrer.

Mas o salário do pecado é a morte, mas a vida eterna é um presente gratuito da parte de D'us, em união com o Messias nosso Senhor. Rm 6:23

O homem somente passou a conhecer a morte através da desobediência a D'us, o ser humano foi único ser a ter o livre arbítrio dentre a natureza terrestre.

A queda do homem trouxe danos quase irreparáveis a toda a criação de modo que não somente a humanidade, mas também toda a criação passou a conviver com as conseqüências da queda do homem, a bíblia diz que: Porque a criação foi submetida à frustração, não por vontade própria, mas por causa de quem a sujeitou. Entretanto, foi-lhe dada uma esperança segura de que ela também será libertada da escravidão a decadência e usufruirá a liberdade que acompanha glória que os filhos de D'us terão. Rm 8:20-21

Da mesma forma que toda a criação sofre conseqüências da queda do homem não por vontade própria, mas por aquele a quem ela sujeitou, da mesma forma será redimida e voltará a sua plenitude original quando os filhos de D'us forem restaurados novamente a imagem e semelhança do seu criador. Mas para que isso aconteça e necessário levar o homem a obediência plena das leis de D'us.

O Messias como responsável direto sobre a criação tem como papel tirar o pecado do mundo, ensinar o homem a prática e a obediência das leis divinas e restaurar a criação ao seu estado original.

O próprio D'us traçou um plano para a redenção da criação através do Messias, pois somente o seu filho amado poderia executar tal tarefa. Logicamente, que não seria uma tarefa simples, pois alguém deveria pagar o preço pelo o pecado humano