Total de visualizações de página

quinta-feira, 21 de abril de 2011

A Eternidade e a imortalidade.

Por Giliardi Rodrigues

O homem foi feito para ser eterno, mas não imortal.

O homem foi criado e formado imagem e semelhança do Eterno, logo o homem também é eterno. Entretanto a vida é condicionada aos princípios que o Criador de todas as coisas estabeleceu.  A morte é apenas um estado transitório ou consequência dos atos de cada individuo.

“... A alma que pecar, essa morrerá" (Ez. 18:4).

As escrituras sagradas afirmam que todos pecaram. assim todos deverão experimentar a morte. A bíblia também diz que o salário do pecado é a morte, mas o dom gratuito do Senhor é a vida eterna. 

É importante destacar e entender que a morte não anula a eternidade, pois todas as pessoas que morreram um dia ressuscitarão. Evidentemente, que uns ressuscitarão para a gloria eterna e outros para condenação eterna. O apostolo João afirma categoricamente no livro de apocalipse que o Messias devorará a morte e a lançará no lago de fogo (Ap 20:14). 

Ao contrario do que muitas pessoas imaginam, o inferno e o lago de fogo são coisas distintas, pois a bíblia mesmo diz que o inferno será lançado no lago de fogo. Inferno significa Sheol que pode ser entendido como morte ou sepultura. Assim a morte será lançada no lago de fogo e deixará de ter poder sobre a vida.

O primeiro Adão, tornou-se alma vivente; o último Adão, espírito vivificante. (1 Co 15:45)

Se o primeiro homem não tivesse pecado, certamente estaria vivo até hoje. Foi pelo o pecado de Adão que a morte entrou no mundo. O apostolo Paulo diz que da mesma forma que pela transgressão de um homem a morte entrou no mundo, pela a obediência plena de um homem a morte deve sair deste mundo.

Não quero, porém, irmãos, que sejais ignorantes acerca dos que já dormem, para que não vos entristeçais, como os demais, que não têm esperança. Porque, se cremos que Jesus morreu e ressuscitou, assim também aos que em Jesus dormem, o Eterno os tornará a trazer com ele                  (1Ts 4:13- 14).

O texto é claro ao afirmar que a morte é como um estado de dormência, e que todos sem exceção voltarão à vida na vinda do Messias. Assim a esperança dos justos não se deve limitar somente a realidade desde mundo, mas a realidade do porvir. O homem neste mundo pode viver em media 80 anos, contudo essa vida não é nada comparada a eternidade e aquilo que o Senhor Eterno tem preparado para aqueles que o amam.



Mas, como está escrito: As coisas que o olho não viu, e o ouvido não ouviu, e não subiram ao coração do homem, são as que o Eterno preparou para os que o amam. Mas Senhor no-las revelou pelo seu Espírito; porque o Espírito penetra todas as coisas, ainda as profundezas do Eterno. Porque, qual dos homens sabe as coisas do homem, senão o espírito do homem, que nele está? Assim, também, ninguém sabe as coisas do Senhor, senão o Espírito do Senhor. Mas nós não recebemos o espírito do mundo, mas o Espírito que provém do Senhor, para que pudéssemos conhecer o que nos é dado gratuitamente por Senhor.  (1 C0 2:9-12)




sábado, 16 de abril de 2011

O CÂNCER DA HUMANIDADE, ou O QUE É PAGANISMO?

Por Giliardi Rodrigues


Paganismo é um tipo de religiosidade que agrega crenças e cultos a distintas formas de divindades. Existe uma variedade muito grande sobre aquilo que se pode denominar pagão. Os movimentos pagãos geralmente são politeístas, panteístas e animistas. Por via de regra, o paganismo atribui divindade aos elementos do universo e da natureza. Para se ter uma ideia mais ampla, o paganismo confere um espírito ou entidade divina a todos os elementos da criação.


Desde os tempos mais antigos da humanidade o paganismo foi sendo desenvolvido por grupos nômades que atribuíam divindades aos elementos da natureza. Toda a cultura e religião se apoiam na mãe natureza. Assim existe o deus do sol, a deusa da lua, o deus da caça, a deusa da fertilidade, o deus do mar, etc. Um atributo comum entre todos os povos pagãos é a existência de deuses e deusas. Mas, às vezes tendo a figura feminina como dominante por está ligada a mãe natureza.

Dentro do paganismo tudo pode ser relativo, pois a ideia de dualismo não é absoluta. Assim não há oposição entre o bem e o mal, o céu e o inferno, o espírito e a matéria. Desta maneira, não permanece a noção de pecado como um mal integral. No entanto, existem correntes do paganismo que são altamente dualistas principalmente as que foram influenciadas pelo pensamento platônico e alguns outros pensadores gregos.

Como existem diversas formas de paganismo, cada individuo pode manifestar a sua fé de forma individual ou através de grupos que comungam da mesma tradição, popularmente conhecidos como tribos ou clãs. Para muitos estudiosos o paganismo é uma espécie de cultura que expressa uma espiritualidade peculiar de vários povos em diversas localidades. Entre os povos da antiguidade se destacam como pagãos os Celtas, os egípcios, os babilônicos, os gregos e os romanos.

Outra característica comum entre todos os povos pagãos é a trindade. No Egito antigo, os principais deuses eram: Amon-Rá - deus do sol, Ísis – deusa da fertilidade e Osíris – deus da fecundidade. A personificação destes deuses na terra era através do Faraó que também era adorado e venerado pelos os Egípcios.

Na antiga Grécia dentre a diversidade de deuses, os principais deuses eram: Zeus – deus dos deuses, Poseidon – deus dos mares e Hades – deus das regiões inferiores (Inferno). Todos eram filhos de Gaia – A mãe da terra ou mãe natureza.

Com relação aos deuses as afrontas são sempre diretas e pessoais, ou seja, um deus pode castigar um ao outro como um ser humano pode ser castigado por uma divindade ofendida.

Em Roma os deuses eram semelhantes aos deuses gregos, assim Júpiter era o deus dos deuses, Netuno o deus dos Mares e Marte o deus da guerra. O politeísmo pagão foi perdendo forças com o avanço do cristianismo em Roma. Entretanto, o paganismo influenciou o cristianismo com a ideia de um deus manifesto em uma trindade, no ano 325 o imperador Pagão chamado Constantino oficializa no concilio de Niceia o dogma da trindade no cristianismo, tornando assim o cristianismo uma religião politeísta.

Embora a trindade do paganismo e a trindade do cristianismo não sejam idênticas por detalhes de definição, não há como negar que uma se originou da outra. Foi através da teologia sobre forte influencia da filosofia grega que muitas doutrinas e pensamentos pagãos adentraram no seio da cristandade. Não somente o cristianismo foi influenciado pelo o paganismo como todas as religiões do mundo. O paganismo é um câncer na humanidade, pois se apoia no relativismo para distorcer os princípios morais da verdade.

Na mente pagã não existe nada errado, tudo é permitido – cada pessoa deve viver em satisfação dos seus próprios desejos e prazeres. Deste modo, existe um deus ou uma força na natureza para satisfazer cada desejo humano. Assim como existe a deusa do amor (Afrodite), também existe a deusa da castidade (Diana). Como existe o deus do inferno (Hades) também existe o deus dos céus (Zeus). Existe o deus da glutonaria (Momo) também o deus da bebedice (Baco) – E por ai vai...

Há milhares de divindades pelo o mundo a fora, elas podem ser conhecidas por nomes diferentes, mas a entidade é a mesma. Um grande exemplo é Poseidon deus grego dos mares, Netuno deus romano dos mares e Iemanjá deusa brasileira do Mares. A mesma Afrodite conhecida entre os gregos como a deusa das orgias sexuais é a mesma entidade Pomba Gira entre o brasileiros.

“São deuses, deusas, entidades e divindades para dar e vender”.

sexta-feira, 8 de abril de 2011

É Pessach, é Páscoa...

Por Giliardi Rodrigues 


É tempo de se deleitar e regozijar nas promessas no Eterno,
É tempo de celebrar a liberdade,
É tempo de trazer à memória aquilo que nos dá esperança,
É tempo de profetizar o Reino do Messias,
É tempo de marchar rumo à Nova Jerusalém,
É tempo de buscar sabedoria no Espírito do Senhor,
É tempo de caminhar pelo deserto rompendo limites,
É tempo de restaurar nossa fé,
É tempo de cantar hinos de louvor,
É tempo de se limpar de todo fermento, pecado e iniquidade,
É tempo de santificação,
É tempo de se preparar para pentecostes,
É tempo de aproximar do Eterno com as mãos limpas e coração puro,
É tempo de obediência a lei do Senhor,
É tempo de festa, alegria e jubilo,
É tempo de graça e de redenção.