Total de visualizações de página

segunda-feira, 24 de janeiro de 2011

SCHABAT – O SINAL PROFÉTICO, ou A FESTA DA CRIAÇÃO.

Por Giliardi Rodrigues


 

De tudo que o Senhor criou, foi à primeira coisa que ele santificou. Ele se alegrou, se deleitou e se regozijou. O Eterno depois de ter criado todas as coisas, viu que tudo era muito bom e que merecia celebrar uma grande festa por todas as coisas que ele mesmo havia feito. Então o Senhor Eterno escolheu o sétimo dia e fez uma grande convocação para a celebração da festa da criação.


 

Os pássaros entoavam a canção,

As feras do campo se dobraram diante do Criador,

As árvores movidas pelo o vento, dançavam em adoração,

Naquele momento, tudo que existe louvou ao Senhor.

Os mares e seus seres não se continham de emoção.

Os astros e as estrelas mostravam seu esplendor,

Naquele dia o SCHABAT se tornou a festa da criação.

Os anjos e os arcanjos alçavam o clamor,

Os querubins e os serafins ardiam em erupção,

Todas as criaturas celebraram a vida e o seu autor,

O Eterno declarou: SCHABAT é paz, é deleite, é confraternização.

A eternidade se manifestou em equilíbrio e amor,

O SCHABAT é uma dádiva do Eterno ao homem, é a festa da inauguração.

É uma graça não merecida que nos foi dada em favor.


 

A primeira coisa que o Eterno santificou foi o tempo, a saber, o SCHABAT. Nada foi criado no 7° dia, ele foi escolhido e separado como o dia santo. O SCHABAT é um dia especial, aliás, o SCHABAT não é apenas um dia, é uma aliança, um memorial da criação e um sinal profético do Reino do Messias. O SCHABAT foi dado ao homem, e não o homem ao SCHABAT, portanto devemos nos alegrar e nos regozijar no presente que o Eterno nos ofereceu.

Na entrega da Torá a Moisés o Eterno lembrou que o 4° mandamento é um memorial da criação, da libertação, da redenção e ao mesmo tempo um sinal profético da Eternidade. O Messias é o Senhor do SCHABAT, pois ele é o nosso descanso e a nossa paz.

Observar o SCHABAT é declarar que não somos nada sem as bênçãos do Senhor, o que prospera o homem não é o muito trabalho, mas o reconhecimento que o Eterno é Senhor e Rei sobre a vida dos justos. Riquezas não é sinônimo de felicidade, segundo a bíblia ser prospero é ser pleno e completo, ou seja, quem é prospero tem paz, alegria, liberdade, saúde, sabedoria e bens.

As escrituras sagradas afirmam que nunca se viu um justo mendigar o pão e nem a sua descendência, que ama o Senhor tem prazer nos seus mandamentos. O Rei Davi diz que a lei do Senhor é perfeita e refrigera a alma dos justos.

O SCHABAT não é meramente um dia ou um preceito da lei. Observar o SCHABAT é celebrar a criação do mundo, o repouso do Eterno, a santidade e a liberdade que temos sobre o tempo. No dia de SCHABAT devemos abster das nossas paixões carnais e celebrar a beleza da esperança que temos no mundo vindouro (Eternidade)

Um comentário:

Metushelach Ben Levy disse...

Muito bom, me lembra os tempos bons do caro Igor Miguel dando aula no CATES, ai que dor ver ele dizendo que se sobrar só a quarta-feira para adorar, será assim.

Só por oferecer a sobra pra D-us já é um assunto a se discutir.

Fique na Completude do Messias, pra não falar na Shalom do Mashiach, já que falam que usamos termos em hebraico pra mostrar pretensa sabedoria, ai que dor denovo rsssssss.