Total de visualizações de página

domingo, 30 de maio de 2010

A aliança perpétua e o chamado irrevogável.


Por Giliardi Rodrigues

O Senhor não tomou prazer em vós, nem vos escolheu, porque a vossa multidão era mais do que a de todos os outros povos, pois vós éreis menos em número do que todos os povos; Mas porque o Senhor vos amava; e para guardar o juramento que jurara aos vossos pais, o Senhor vos tirou com mão forte e vos resgatou da casa da servidão, da mão de Faraó, rei do Egito. Saberás, pois, que o Senhor, teu Deus, é Deus, o Deus fiel, que guarda o concerto e a misericórdia, até mil gerações, aos que o amam e guardam os seus mandamentos (Dt 7:7-9).
Israel em todos os sentidos é uma prova cabal da misericórdia, do poder, da ação, da justiça, das promessas e do amor de D'us. O Eterno elegeu Israel como seu povo, não por méritos dos descendentes de Abraão, nem porque era uma nação grande e poderosa. D'us escolheu Israel como povo santo devido à aliança feita com Abraão.
O chamado de Israel é eterno e irrevogável, D'us prometeu a Abraão que abençoaria todas as nações através de sua semente.
Que deveras te abençoarei, e grandemente multiplicarei a tua descendência, como as estrelas do céu e como a areia que está na praia do mar; e a tua descendência possuirá a porta dos seus inimigos; e em tua descendência serão benditas todas as nações da terra; porquanto obedeceste à minha voz (Gên. 22:17).
A bíblia diz que Abraão é o pai da fé devido a sua obediência, ele ouviu a palavra do Senhor e obedeceu – isso lhe foi imputado como justiça. Abraão se achegou tão próximo do Eterno ao ponto de ser chamado “Amigo de D'us”.
Abraão é o Pai do monoteísmo, a fé de Abraão rompeu todos os conceitos de sua época e transcende até mesmo o tempo contemporâneo. Enquanto o mundo estava longe do D'us criador de todas as coisas e afundado na idolatria, Abraão por sua vez rejeitou a veneração a ídolos para servir somente ao D'us que criou todas as coisas.
D'us é fiel na sua aliança e nas suas promessas. O Eterno permanece imutável ainda que os seus filhos sejam infiéis e rebeldes à palavra. Uma aliança é um pacto bilateral onde ambas as parte tem deveres e obrigações a cumprirem. D'us prometeu abençoar o povo de Israel e essas bênçãos estavam ligadas a obediência a sua lei.
Se ouvires atento a voz do Senhor, teu Deus, e obrares o que é reto diante de seus olhos, e inclinares os teus ouvidos aos seus mandamentos, e guardares todos os seus estatutos, nenhuma das enfermidades porei sobre ti, que pus sobre o Egito; porque eu sou o Senhor que te sara. E guardarás os seus estatutos e os seus mandamentos, que te ordeno hoje, para que bem te vá a ti, e a teus filhos depois de ti, e para que prolongues os dias na terra que o Senhor, teu Deus, te dá, para todo o sempre. (Ex15: 26 / Dt 4:40).
D'us elegeu Israel como propriedade peculiar entre os povos da terra devido sua fidelidade à aliança abraâmica. O povo de Israel estava ligado ao pacto não por méritos próprios, mas por promessas e fidelidade da parte do Eterno.
D'us tinha como proposito começar o plano de salvação e de redenção da humanidade através de Israel. O Eterno escolheu Israel não para ser um povo exclusivo, mas para ser um povo modelo e abençoado através do pacto de fidelidade e aliança.
Quando os teus dias forem completos, e vires a dormir com teus pais, então farei levantar depois de ti a tua semente, que sair das tuas entranhas, e estabelecerei o seu reino. Este edificará uma casa ao meu nome, e confirmarei o trono do seu reino, para sempre. Eu lhe serei por pai, e ele me será por filho: e, se vier a transgredir, castigá-lo-ei com vara de homens, e com açoites de filhos de homens, Mas a minha benignidade se não apartará dele, como a tirei de Saul, a quem tirei de diante de ti. Porém a tua casa e o teu reino serão firmados para sempre diante de ti: o teu trono será firme para sempre.              (2 Samuel 7:12-16).
O Messias é o filho primogênito de D'us, podemos também chama-lo de “Emanuel”, que quer dizer “D'us conosco”. O profeta Isaias diz que ele também será chamado de Maravilhoso e príncipe da paz. O Messias governará sobre o trono de Davi e o seu reino não terá fim. Ele carregará o principado em seus ombros, destruirá o mal, exterminará com a morte, trará paz sobre a terra e reinará de Jerusalém sobre o universo e a eternidade.
O profeta Daniel, o rei Davi e o apostolo Paulo dizem que todos os poderes terrenos e espirituais estarão debaixo da autoridade do Messias. O Pai criador de todas as coisas entregou na mão de seu filho e lhe deu autoridade para governar sobre todas as coisas.
E foi-lhe dado o domínio, e a honra, e o reino, para que todos os povos, nações e línguas o servissem: o seu domínio é um domínio eterno, que não passará, e o seu reino o único que não será destruído. Também, por isso, lhe darei o lugar de primogénito; fá-lo-ei mais elevado do que os reis da terra. A minha benignidade lhe guardarei para sempre e o meu concerto lhe será firme, E conservarei para sempre a sua descendência e o seu trono como os dias do céu. Pelo que, também, Deus o exaltou soberanamente, e lhe deu um nome que é sobre todo o nome; Para que, ao nome de Jesus, se dobre todo o joelho dos que estão nos céus, e na terra, e debaixo da terra, (Daniel 7:14 / Salmos 89:27-29 / Filipenses 2:9-10)
Israel é como uma nação corporativa diante das nações da Terra. Pelo o pacto feito a Abraão, D'us através de Israel e do Messias abençoa as nações revelando os seus propósitos e manifestando o seu reino.
Muitas pessoas dizem que D'us rejeitou Israel e que o povo de Israel hoje não é mais o povo escolhido de D'us. Tantos os cristãos, quando os muçulmanos rejeitam Israel como nação corporativa. Eles dizem que Israel renunciou o Messias Yeshua (Jesus) e por esse motivo perdeu o seu lugar diante de D'us.
Todavia as escrituras sagradas diz que ainda que uma mãe esqueça-se do filho que está no seu ventre, D'us jamais se esquecerá de Israel. Nas palmas das mãos do Eterno está gravado o nome de Israel. O Senhor jamais se esquece dos seus filhos e tão pouco abandona seus escolhidos.
Existem centenas de promessas e de profecias ainda para se cumprir através de Israel. A bíblia diz que em parte o próprio D'us endureceu o coração de Israel para que as boas novas do reino alcançassem os confins da terra, e quando vier a “plenitude dos gentios” o evangelho do reino voltaria para Jerusalém e os judeus aceitariam e reconheceriam o seu Messias como Rei.

DIGO, pois: Porventura rejeitou Deus o seu povo? De modo nenhum [...]; Deus não rejeitou o seu povo, que antes conheceu [...] Como está escrito: Deus lhes deu espírito de profundo sono, olhos para não verem, e ouvidos para não ouvirem, até ao dia de hoje. Digo, pois: Porventura tropeçaram para que caíssem? De modo nenhum, mas, pela sua queda, veio à salvação aos gentios, para incitá-los ao ciúme. E, se a sua queda é a riqueza do mundo, e a sua diminuição a riqueza dos gentios, quanto mais a sua plenitude! E, se alguns dos ramos foram quebrados, e tu, sendo zambujeiro, foste enxertado em lugar deles, e feito participante da raiz e da seiva da oliveira, Não te glories contra os ramos; e, se contra eles te gloriares, não és tu que sustentas a raiz, mas a raiz a ti. Dirás, pois: Os ramos foram quebrados, para que eu fosse enxertado. Está bem; pela sua incredulidade foram quebrados, e tu estás em pé pela fé; então não te ensoberbeças, mas teme. Porque, se Deus não poupou os ramos naturais, teme que te não poupe a ti, também. (Romanos 11)
As escrituras mesmo diz que a salvação vem dos judeus (Jo 4:22), o próprio D'us deu a Israel um sono profundo para que o Evangelho do Reino chegasse aos confins da terra levando salvação aos gentios. Mas nem por isso os gentios podem se glorificar, pois da mesma forma onde Israel foi desobediente e quebrado, os gentios também podem ser, de modo que D'us não poupou nem ramos naturais, quanto mais o ramos enxertados na oliveira que é o Messias.
Chegará o tempo em que Israel se arrependerá dos seus pecados e de suas iniquidades. D'us tem reservado para esse tempo a restauração de Israel. O Messias ajuntará as ovelhas perdidas de Israel e as trará novamente para a sua terra.
Pouco é que sejas o meu servo, para restaurares as tribos de Jacob, e tornares a trazer os guardados de Israel: também te dei para luz dos gentios, para seres a minha salvação até à extremidade da terra. Assim diz o Senhor, o Redentor de Israel, o seu Santo, à alma desprezada, ao que as nações abominam, ao servo dos que dominam: Os reis o verão e se levantarão; os príncipes diante de ti se inclinarão, por amor do Senhor, que é fiel, e do Santo de Israel, que te escolheu. Assim diz o Senhor: No tempo favorável te ouvi e no dia da salvação te ajudei, e te guardarei, e te darei por concerto do povo, para restaurares a terra, e lhe dares em herança as herdades assoladas: Para dizeres aos presos: Saí; e aos que estão em trevas: Aparecei. Eles pastarão nos caminhos, e em todos os lugares altos terão o seu pasto. Nunca terão fome nem sede, nem a calma nem o sol os afligirá; porque o que se compadece deles os guiará, e os levará mansamente aos mananciais das águas. E farei, de todos os meus montes, um caminho; e as minhas veredas serão exaltadas. (Isaias 49:6-11)
Ainda que o mundo rejeite a nação de Israel como povo escolhido de D'us, o Eterno tem para Israel promessas de redenção e de restauração. A bíblia diz que nos últimos dias Israel será um cálice para tontear as nações, ainda que todos se levantem para destruir o povo escolhido, D'us não permitirá, pois o guarda de Sião não dorme e não dormitará.
E acontecerá, naquele dia, que procurarei destruir todas as nações que vieram contra Jerusalém; E sobre a casa de David, e sobre os habitantes de Jerusalém, derramarei o Espírito de graça e de súplicas; e olharão para mim, a quem traspassaram; e o prantearão, como quem pranteia por um unigénito; e chorarão amargamente por ele, como se chora amargamente pelo primogénito. (Zacarias 12:9-10)
Nos últimos dias quando as nações se voltarem contra Israel, os judeus se lembrarão de D'us, se arrependerão e clamarão pelo o Mashiach filho de Davi. Lembrarão daquele que foi transpassado na casa de seus irmãos e prantearão amargamente como se chora pelo o seu primogênito. Nestes últimos dias o Messias virá como um guerreiro para lutar em favor de seu povo, eis que ele vem montando no cavalo branco e com uma espada nas mãos para exterminar os inimigos de Israel, erguer o trono caído de Davi, governar sobre as nações com vara de ferro e trazer paz aos filhos de D'us.
E veio um dos sete anjos, que tinham as sete taças cheias das últimas sete pragas, e falou comigo, dizendo: Vem, mostrar-te-ei a esposa, a mulher do Cordeiro. E levou-me, em espírito, a um grande e alto monte, e mostrou-me a grande cidade, a santa Jerusalém, que de Deus descia do céu. E tinha a glória de Deus; e a sua luz era semelhante a uma pedra preciosíssima, como a pedra de jaspe, como o cristal resplandecente. E tinha um grande e alto muro, com doze portas, e nas portas doze anjos, e nomes escritos sobre elas, que são os nomes das doze tribos de Israel. (Apocalipse 21:9-12).

quinta-feira, 27 de maio de 2010

Restaura o teu povo


Por Giliardi Rodrigues

Elevo meus olhos em direção a Sião
E ergo a minha voz ao Senhor,
Com as mãos limpas e com o puro coração
Levanto o meu clamor:

Salva Senhor o teu povo,
Restaura os teus filhos da descendência de Abraão,
Faz de Israel o seu vaso novo,
Que a tua lei e tua graça e a glória de nossa nação.
Tira o nosso pecado
 E perdoa nossas iniquidades,
Derrama sobre nós o teu Espírito,
E seu nome seja louvado por toda a eternidade.

Pai, tu é o nosso D'us de paz e de amor,
Tu és a nossa justiça e a nossa salvação.
Revigora Israel e reacende por ti o nosso ardor,
Derrame bênçãos do céu e nos dê um novo coração.
Que o teu Messias reine sobre nós com todo teu poder,
Cantaremos salmos de louvores pelas as ruas de Jerusalém,
Que ele traga shalom a todo aquele que nele crer,
Manifesta agora o teu reino e todo o teu povo diz; Amém!

quinta-feira, 13 de maio de 2010

O dia em que D’us escreve e apaga os nomes do livro da vida

Por Giliardi Rodrigues

Então disse o Senhor a Moisés: Aquele que tiver pecado contra mim, a este riscarei do meu livro. (Êxodo 32:33).
D'us tem em posse um livro que se chama “Sefer Ha Chaim” também popularmente conhecido como o livro da vida. Neste livro está escrito o nome de todos os justos e das pessoas salvas que consequentemente herdarão a eternidade no paraíso.
Conforme a memória judaica no dia em que se celebra o ano novo bíblico, D'us julga a humanidade e no Yom Kipur (dia do perdão) D'us abre este livro para rever os nomes das pessoas que merecem continuar no livro da vida ou terem seus nomes apagados dele. Este dia é um dia especial pelo qual as pessoas devem se unir em oração para se santificar ao Senhor. Rosh Rashaná é um dia de juízo, é um dia em D'us juga a humanidade, enquanto Yom Kipur é um dia de misericórdia, graça e perdão.
Sejam riscados do livro da vida e não sejam inscritos com os justos.     (Salmos 69:28)
Segundo a tradição judaica dez dias após o ano novo, D'us sela no livro os nomes das pessoas que merecem a salvação através da graça e risca do livro o nome das pessoas que não merecem mais estar nele. O ano novo na bíblia é marcado pelo o toque do Shofar, o homem foi criado em Rosh Rashaná, por esse motivo no ano novo judaico se celebra o aniversario da criação do homem.
Disse o Senhor a Moisés:
Ora, o décimo dia desse sétimo mês será o dia da expiação; tereis santa convocação, e afligireis as vossas almas; e oferecereis oferta queimada ao Senhor. Nesse dia não fareis trabalho algum; porque é o dia da expiação, para nele fazer-se expiação por vós perante o Senhor vosso Deus. Pois toda alma que não se afligir nesse dia, será extirpada do seu povo. Também toda alma que nesse dia fizer algum trabalho, eu a destruirei do meio do seu povo. Não fareis nele trabalho algum; isso será estatuto perpétuo pelas vossas gerações em todas as vossas habitações. (Levítico 23:26-31).
Embora a graça de D'us seja um favor não merecido, existem condições pelo o qual o homem deve se submeter para não perder a salvação. A bíblia é clara, somente o que perseverar até o fim em obediência a lei de D'us herdará a vida eterna e não terá o seu nome apagado do livro da vida.  
Desde modo fica fácil compreender que o homem é salvo pela a graça para obedecer à lei de D'us. A graça não anula a lei e nem a lei é contrária à graça. Ambas se completam e cooperam para a salvação do homem. Fazendo uma ilustração seria a lei uma vacina contra o pecado e a graça como um antidoto contra o pecado, ou seja, o homem que obedece a lei de D'us não peca e se por ventura um dia pecar e logo se arrepender a graça de D'us é derramada sobre ele em sinal que os seus pecados foram perdoados. Entretanto se este homem não se arrepender e continuar na pratica da desobediência à lei de D'us (Iniquidade) ele está rejeitando a graça de D'us derramada sobre ele.
Se não houvesse a possibilidade do arrependimento, jamais poderia existir o livre arbítrio, a liberdade de escolha entre o bem o mal permite o homem errar e se afastar de D'us. Como do contrário, também existe a possibilidade do arrependimento e de voltar para D'us.
O que vencer será vestido de vestes brancas, e de maneira nenhuma riscarei o seu nome do livro da vida, e confessarei o seu nome diante do meu Pai e diante dos seus anjos. (Apocalipse 3:5)
Dia após dia temos que buscar crescer na obediência a lei de D'us. O salmista Davi diz que a lei de D'us é boa e refrigera a alma dos justos. Nunca andar em obediência aos mandamentos de D'us deve ser um fardo para o homem, pelo o contrário, os mandamentos de D'us são leves e suaves para os que buscam a justiça do Reino de D'us.
Jesus (Yeshua) foi o único homem que passou nesta terra e conseguiu em tudo ser obediente ao Pai. Devemos olhar para as atitudes dele como referencial para compreendermos os propósitos da lei de D'us. O Espirito Santo (Ruach HaKadosh) nos convence do pecado quebrantando o nosso coração para sermos guiados com entendimento segundo a palavra de D'us.  
Do contrario, aqueles que rejeitam a lei de D'us e buscam andar segundo os seus próprios entendimentos estão sujeitos a terem seus nomes apagados do livro da vida.
Assim diz as escrituras:
E aquele que não foi achado escrito no livro da vida, foi lançado no lago de fogo. (Apocalipse 20:15)
 



quarta-feira, 5 de maio de 2010

Ao D'us soberano, ou porque D'us criou o mal?


Por Giliardi Rodrigues




O Senhor é o que tira a vida e a dá; faz descer ao Sheol e faz subir dali.
O Senhor empobrece e enriquece; abate e também exalta.
Levanta do pó o pobre, do monturo eleva o necessitado, para fazê-los sentar entre os príncipes, para fazê-los herdar um trono de glória; porque do Senhor são as colunas da terra, sobre elas pôs ele o mundo.
Ele guardará os pés dos seus santos, porém os ímpios ficarão mudos nas trevas, porque o homem não prevalecerá pela força.
Os que contendem com o Senhor serão quebrantados; desde os céus trovejará contra eles. O Senhor julgará as extremidades da terra; dará força ao seu rei, e exaltará o poder do seu ungido. (I Samuel 2:6-10)

A bíblia apresenta um D'us que é Soberano e Senhor sobre todas as coisas. Ele é rei de eternidade a eternidade, o seu reino abrange tudo em todos os aspectos. 
O D'us que dá a vida é o mesmo que dá a morte. O D'us que criou o bem, também fez o mal. O D'us que fez a luz é o mesmo D'us que fez as trevas. O Senhor que dá a paz, também é o Senhor da guerra (Is 45:7).
É impossível a mente humana tentar compreender os pensamentos de D'us, assim como os céus são mais elevados que a terra, os caminhos de D'us são mais altos que os caminhos dos homens, os meus pensamentos de D'us são mais altos do que os nossos pensamentos.
O D'us criador é a fonte de toda ciência, sabedoria, inteligência e poder. O homem foi criado à imagem e semelhança deste D'us. Portanto, se o homem quiser encontrar respostas para sua existência deve procurar conhecer melhor o seu criador.
O homem não é fruto do acaso e nem o universo obra de um “big bang”, existe uma grande sincronia e harmonia no universo, de modo que toda a natureza se sustenta através de leis que regem uma ordem que somente um ser poderoso e com uma mente criativa para elaborar e executar um projeto de tamanha magnitude.
D'us está acima do bem e do mal, ele governa com soberania sobre todas as coisas de modo que nada duela entre si de forma desordenada. O bem e o mal se completam de maneira que a existência de um se finaliza no outro. Isso seria mais ou menos como o dia e a noite, como o frio e o calor ou como a luz e as trevas.
O profeta diz:
Porque é Ele o que forma os montes, e cria o vento, e declara ao homem qual é o seu pensamento, o que faz da manhã trevas, e pisa os altos da terra; o Senhor, o Deus dos Exércitos, é o seu nome. (Amós 4:13)

Porque D'us criou o mal?

Eu formo a luz, e crio as trevas; eu faço a paz, e crio o mal; eu, o Senhor, faço todas estas coisas. Destilai vós, céus, dessas alturas, e as nuvens chovam justiça; abra-se a terra, e produza-se salvação, e a justiça frutifique juntamente; eu, o Senhor, as criei. Ai daquele que contende com o seu Criador! O caco, entre outros cacos de barro! Porventura dirá o barro ao que o formou: Que fazes? Ou a tua obra: Não tens mãos? (Isaias 45:7-9)
D'us é amor e justiça, ele criou o mal e o bem para dar o homem o livre arbítrio. D'us criou a luz e as trevas. Embora D'us sendo o criador do mal, ele não criou o pecado, o pecado é a consequência da escolha do homem pelo o mal em vez do bem. D'us não pode ser tentado e ele também não tenta ninguém, cada pessoa é tentada pelas as suas próprias escolhas. O livre arbítrio é o potencial que o homem tem de fazer o bem ou o mal. D'us criou o homem com esse direito e sempre orientou ao homem escolher o caminho da justiça.
A bíblia diz que D'us é bom e não tem prazer na morte de um pecador e tão pouco que alguém se perca no caminho da iniquidade. O mesmo versículo que diz que D'us criou o mal, também diz que das alturas o Senhor faz chover justiça para produzir salvação. Se o salário do pecado é a morte, o dom gratuito de D'us é a vida eterna.

domingo, 2 de maio de 2010

Ao Senhor, Nosso Pai e Rei

Por Giliardi Rodrigues


 

Sei que não sou merecedor

Mas a graça do Senhor me alcançou.

Hoje tenho prazer em obedecer ao meu rei,

E alegria de caminhar na tua lei.

Na palavra do Senhor repousa o meu coração,

Que a minha vida seja sempre uma continua adoração.

Bem aventurados sejam meus pés ao anunciar suas boas novas,

Através de teu amor, o meu espírito a cada dia se renova.


 

Sei que nada tenho e nada sou

Mas o teu Espírito me alegrou.

Não quero ter, não quero ser, todavia quero estar,

Quero estar na tua presença e para sempre ficar.

A cada dia com humildade quero diminuir

Para que tua graça cresça em mim.

O teu caminho é a justiça e a verdade

Só tu tens palavras de eternidade.


 

Cura-nos e seremos curados, salva-nos e seremos salvos

Tu és o rei amado, tu és o nosso alvo.

Senhor, restaura o teu povo Israel e renove a tua igreja,

Nos leve para a nova Jerusalém ou onde o Senhor esteja.

Tu és o nosso Pai de amor,

Tu és a nossa esperança e o nosso salvador.

Tu és o nosso baluarte, o nosso escudo e a nossa fortaleza

Bendito seja para sempre o teu nome em toda a sua grandeza.