Total de visualizações de página

quarta-feira, 14 de abril de 2010

A lei da graça


Por Giliardi Rodrigues

A graça de D'us é um favor não merecido, um ato de amor de D'us para com o homem. A graça como o próprio nome diz é um dom, uma dádiva sem méritos. Ninguém é merecedor do amor de D'us, mas pela a sua misericórdia alcançamos o favor do perdão. A graça é redentora, ela é um benefício que carecemos, mas que pelos os nossos atos não merecemos. A graça é de graça, é um presente de valor incalculável de modo que não existe dinheiro no mundo que possa comprar esse favor.
Todos, sem exceção somos resgatados das garras do mal pela a graça, ela é o antídoto das trevas, nada pode contra a graça, senão pela a graça. Entretanto a graça não isenta ninguém da obediência a lei de D'us. Somos salvos para a liberdade e não para a libertinagem, somos salvos da escravidão do pecado para a servidão da justiça.
A bíblia diz que D'us é rei e seu Reino é soberano, ou seja, ele é Senhor sobre tudo e sobre todas as coisas. O homem foi criado para servir a este reino e não para ser escravo do mundo. Não existe nada que seja autônomo na natureza, nada que seja amo de si mesmo. Tudo o que existe, foi criado para um propósito; as criaturas foram criadas para servirem o seu criador.
Toda a criação veio a existir por um ato de graça, ao mesmo tempo toda a criação é permeada por leis que regem para a ordem, o equilíbrio e a justiça. Já imaginou se não existisse a lei da gravidade? Tudo ficaria flutuando em uma grande desordem no planeta. Se não existissem leis de transito, seriam impossíveis tantos veículos circulando ao mesmo tempo dentro das grandes metrópoles. Se não existissem leis na sociedade, o mundo estaria mais perdido do que estar.
No Reino de D'us não é diferente, a graça e a lei são unas, não existe dicotomia entre uma coisa e outra. O Reino se expande através da graça, trazendo salvação, redenção e restauração, ao mesmo tempo constituindo leis para que haja justiça, paz, respeito e ordem.
Embora muitos teólogos insistissem na idéia que a graça é oposta a lei, a bíblia diz que uma não existe sem a outra. A lei é como se fosse uma vacina para o pecado, enquanto a graça um remédio para quem foi contaminado pelo o pecado. Ambas exercem funções imprescindíveis para o reino de D'us. A graça foi criada para gerar vida e a lei foi criada para trazer qualidade de vida.
A ética e a moral só podem existir se houve uma lei; uma constituição. O maior de todos os mandamentos é amar a D'us sobre todas as coisas e ao próximo como a si mesmo. Quem ama a D'us, também ama tudo o que foi criado por D'us. Quem ama a D'us não blasfema contra ele, não toma o nome dele em vão, não anda dando mau testemunho, não quer o mal para o seu próximo e nem tem prazer da desgraça do outro. A ética do Reino de D'us se firma sobre dois pilares: O amor e a justiça.
D'us é amor e também é justiça. Ele corrige porque ama e ama de tal modo que não quer que nenhuns de seus filhos se percam. Uma mãe quando corrige seu filho não é porque não o ama, muito pelo o contrário, ela ama tanto que não deseja que seu filho cresça cometendo erros.
Todos têm direitos e deveres. Temos direito a liberdade, com do mesmo modo o dever de respeitar uns aos outros. O direito de um termina, quando o do outro começa. Não devemos fazer com o outro aquilo que não desejamos para nós mesmos. Quem diz que ama a D'us e não ama o seu próximo é mentiroso e nele não está à verdade, pois como pode a amar a D'us a quem nunca viu e não ama o seu irmão a quem vê?
A bíblia diz que o amor de D'us é incondicional, ele ama os homens como uma mãe ama seus filhos. O filho pode ser o que for, mas o amor da mãe nunca vai acabar pelo o seu filho, simplesmente a mãe ama o seu filho não porque ele faz, mas porque o que ele representa para ela. O filho querendo ou não é uma parte da mãe, pois foi gerada por ela. Assim somos diante de D'us, ele nos ama porque somos parte dele, fomos gerados a imagem e semelhança dele. O fôlego que temos de vida veio do próprio D'us.
D'us não obriga ninguém a amá-lo, quem quiser servir e obedecer a D'us não é por obrigação e nem por imposição, mas por amor espontâneo. D'us poderia em um estralo de dedos obrigarem todos os homens a amá-lo e a obedecê-lo, no entanto não foi para isso que ele nos criou, D'us não criou robôs programados simplesmente para fazer um tipo de coisa, mas criou o homem com liberdade de escolhas, deu ao homem o chamado livre-arbítrio e o direito de escolher entre o bem e o mal.
Existem apenas dois caminhos: o do bem e o do mal. Servimos a D'us por amor porque ele é justo e fiel ou desprezamos essa graça para vivermos escravos do mal. Lembrando apenas que D'us nos deu a vida para vivermos em abundancia se submetermos a obediência a sua lei, ao contrario o mal não nos deu nada e ainda quer tirar o que temos de mais precioso: A vida.
A lei da graça é vivermos em obediência aos mandamentos de D'us. Para isso fomos resgatados do império do mal para o Reino da justiça. A graça não é contrária a lei e nem a lei é contrária a graça. Ambas servem para combater o mal que habita em nossa carne. O nosso espírito milita contra a nossa carne e nossa carne contra o espírito, a nossa carne está sobre o julgo de uma natureza caída e degredada pelo o pecado, ao contrario o nosso espírito que habita dentro de nós chora, geme e clama por redenção e restauração. Precisamos dia após dia negar a nossa carne (natureza pecaminosa) para andarmos em entendimento de espírito.
Andar na graça significa acima de tudo sermos obedientes à palavra de D'us. Quem ama a D'us não tem prazer no pecado. Devemos guardar a lei de D'us em nosso coração para não mais pecar contra o nosso Pai. A lei do Senhor é perfeita e refrigera a alma; o testemunho do Senhor é fiel e dá sabedoria aos simples. Os preceitos do Senhor são retos e alegram o coração: o mandamento do Senhor é puro e alumia os olhos. O temor do Senhor é limpo e permanece eternamente; os juízos do Senhor são verdadeiros e justos juntamente. Mais desejáveis são do que o ouro, sim, do que muito ouro fino; e mais doces do que o mel e o licor dos favos.




Nenhum comentário: