Total de visualizações de página

quarta-feira, 8 de julho de 2009

A história de Paulo - Chamado entre os judeus para dentre os gentios.

Por Giliardi Rodrigues


O meu nome é Shaul (שאול), mais conhecido por Paulus em latim ou Paulo em português, nasci em tarso da Cilicia (Turquia), circuncidado ao oitavo dia, judeu por parte de pai e mãe, da tribo de Levi, da linhagem de Benjamim, pelo fato de ter nascido em uma importante província romana tenho dupla cidadania, tenho titulo de romano e sou cidadão israelense, cresci e fui educado dentro da religião judaica e dos costumes da tradição do povo hebreu, sou fariseu e filho de fariseu.

Ainda quando criança, fui levado a Jerusalém ao Beit sêfer (casa do livro), desenvolvi habilidades de lê e escrever juntamente com um escriba, depois de ter sido alfabetizado na torah, fui matriculado no Beit Talmud (casa de estudo), ali aprendi tudo sobre os profetas, sobre a lei, a interpretar a torah, sobre a tradição oral e sobre rituais do culto no templo.

Aos 13 anos fiz meu Bar Mitzvá, li um trecho da torah que correspondia exatamente com o dia que eu nasci. Depois fui matriculado no Beit Midrash (casa de interpretação), os grandes mestres ficavam impressionados com o meu conhecimento a respeito das escrituras e me enviaram a ser instruído com grande rabi de meu tempo, aos pés de Gamaliel dilatei toda a filosofia das escrituras e os segredos da essência da vida do homem.

Além do hebraico a minha língua pátria, também aprendi a falar e a escrever vários idiomas (Latim, árabe, aramaico e grego), sempre fui zeloso com a palavra de D'us e seus mandamentos, o meu amor a torah é algo que está no sangue e que chegou até a mim pelas as gerações de meu povo.

Pela a minha dedicação e esmero ao conhecimento das escrituras fui ordenado Mestre e apto para interpretar, ensinar e a fazer discípulos. Depois de anos de estudos comecei a freqüentar o sinédrio e a aprender com os grandes sábios sobre a justiça de D'us.

Nesta mesma época Israel estava sofrendo conflitos políticos e religiosos, Jerusalém havia sido tomada pelos os romanos, e ao mesmo tempo dentro do judaísmo estava surgindo diversas seitas.

Eu vou destacar a seita dos “Os do caminho” ou “Netivyah”, esse grupo era de judeus que andavam por todos os cantos pregando as doutrinas de um homem vindo de Nazaré.

Este homem se chamava Yeshua Bem Yossef, era filho de um carpinteiro e de uma mulher chamada Mirian, havia nascido na galileia, cresceu em Nazaré e mais tarde veio para Jerusalém operando milagres e fazendo maravilhas entre os gentios e o povo de Israel.

Os discípulos deste homem viviam pregando no pátio do templo, nas sinagogas e por todas as cidades de Israel que o Mashiach (Messias) dos judeus era Yeshua. Por onde eles passavam arrastavam uma multidão junto com eles.

Certa vez, presenciei o discurso de um homem chamado Estevão, este também pertencia à seita dos nazarenos, ele estava sendo acusado pelos os membros do sinédrio de blasfêmia contra o D'us altíssimo. Ele falava com retórica autoridade diante de todos. Quando perguntado sobre se as acusações eram verdadeiras, ele iniciou um grande discurso sobre toda a nossa historia e no fim nos chamaram de traidores, assassinos de profetas e ainda disse que não guardávamos a torah.

Isso foi à gota d’água para provocar a ira de todos os que estavam presentes do sinédrio e sentenciá-lo com a máxima condenação. Estevão foi arrastado e apedrejado fora da cidade e logo trouxeram a sua capa e lançaram diante dos meus pés.

Esse dia foi um divisor de águas em minha vida, eu estava mais que convencido que com o crescimento desta seita e com o povo de Israel seguindo estes discípulos de Yeshua a nossa religião e a tradição de nosso povo estava ameaçada.

Decidi que em meu coração perseguir os propagadores desta seita e os lançar a prisão. Dispus-me a defender a minha fé, a cultura e a tradição do meu povo com a minha própria vida. Em Jerusalém eu entrava pelas as casas e lançava homens e mulheres à prisão.

Empenhei muito esforço em impedir o crescimento desta seita, mas Infelizmente quanto mais pessoas eu prendia e perseguia, mais adeptos de Yeshua HaMashiach surgia em Jerusalém e em fora de Israel.

O meu grande receio é que está nova doutrina chegasse ao conhecimento dos judeus da diáspora, ou seja, a todos os que eram judeus e estavam por algum motivo em outras nações.

A vontade do meu coração era ver esses irmãos voltando para sua terra natal, restaurando suas raízes judaicas e mantendo assim todos os costumes e tradição do nosso povo Hebreu. De forma alguma eu poderia permitir que essa seita dos “Os do caminho”, contaminasse a nossa religião.

Jerusalém é o centro da primeira religião monoteísta do mundo, a nossa tradição e os nossos costumes estavam sendo ameaçados por esses que seguiam as doutrinas do Galileu Nazareno.

Fui ao sinédrio e as principais sinagogas de Jerusalém para pedir cartas e autorização dos lideres de nossa religião para perseguir nas outras cidades os prosélitos (Missionários) da seita messiânica dos nazarenos.

Convoquei uma caravana para ir juntamente comigo as sinagogas de Damasco, a fim de que se encontrassem alguns daquela seita querem homens ou mulheres, os conduzisse presos a Jerusalém.

Indo na estrada em direção a Damasco, de repente fui cercado por um resplendor de luz que vinha do céu. Eu não sabia o que estava acontecendo, perdi as forças das pernas e cai no chão, uma voz saia da claridade em direção a mim e dizia:

- Shaul, Shaul! Por que você me persegue?

Eu disse:

- De quem é esta voz que fala comigo?

E a voz me respondeu:

- Eu sou Yeshua a quem persegues!

Fiquei atônito e sem reação, e o meu coração acelerou a mil por hora e todo o meu corpo tremia.

A voz voltou a me dizer:

- Levanta e continua a caminhada, quando chegar à cidade e lhe será dito o que fazer.

Os homens que viajava comigo também ficaram emudecidos, pois também ouviram a voz, mas não viram ninguém. Eles me ajudaram a levantar do chão e quando eu fiquei de pé e abri os meus olhos tentava olhar para um lado e para o outro e não via nada, me apoiei nos ombros de dois homens até a cidade de Damasco. Fiquei por três dias cego e desesperado, aquela tristeza me tirou a vontade de comer e beber.

Havia em Damasco um homem chamado Ananias, ele teve uma visão ao respeito do que tinha acontecido comigo, quando eu estava chegando à cidade ele veio ao meu encontro e pôs as mãos sobre o meu rosto, imediatamente veio sobre mim Ruach Hakodesh (Espírito Santo) e ao mesmo tempo voltei a enxergar.

O Espírito de Elohim me encheu de entendimento e me convenceu de quanto eu estava errado das minhas atitudes, eu estava perseguindo aqueles que foram escolhidos por D'us para serem testemunhas do Messias em Jerusalém e fora de Israel.

Eu estava decidido de corpo, alma, espírito e coração em viver para anunciar Yeshua Hamashiach. Pedi perdão a D'us e me arrependi por perseguir os seus escolhidos, queria que Ananias me levasse a todos os discípulos do Messias para pedir perdão eles. Depois de horas conversando com Ananias, eu precisava descansar um pouco e em seguida me preparar para a entrada do shabat.

No dia seguinte fomos à primeira sinagoga de Damasco, ali eu anunciei que Yeshua era o filho de Elohim e o Mashiach tão esperado pelo o nosso povo. Algumas pessoas ficaram maravilhadas com o meu testemunho e o encontro com o Messias, porém alguns dos que me ouviram já estavam planejando em me tirar a vida. Dias depois os discípulos sabendo que o plano já estava prestes a ser executado me desceram dentro de um cesto pela a muralha da cidade.

Voltei a Jerusalém e procurei me juntar com os apóstolos de Yeshua, porém alguns deles temiam que eu não estivesse falando a verdade, mas Barnabé acreditou no meu testemunho e me levou até a eles, falei do que havia me acontecido e do encontro do Messias ao caminho de Damasco.

Em Jerusalém, eu falava ousadamente e com autoridade no nome de Yeshua. Falava e disputava, com os judeus e também contra os helenistas, mas eles procuravam me matar. Sabendo disso os irmãos no Messias, me acompanharam até Cesareia, e o enviaram a Tarso.

Assim, pois, as igrejas em toda a Judéia, e Galileia e Samaria tinham paz, e eram edificadas; e se multiplicavam, andando no temor do Senhor e na consolação do Espírito Santo.

Continua 2° Parte...

Nenhum comentário: