Total de visualizações de página

sexta-feira, 25 de dezembro de 2009

Nas tendas do pai, há muitas moradas.

Por Giliardi Rodrigues


 

Pela a sensibilidade das palavras do profeta, a alma suspira elevando a mente e o coração para próximo de D'us. Não há nada no mundo que possa descrever o encontro e o momento onde o pai se alegra e o filho se lança nos seus braços. Os pássaros levantam um grande coral, as estrela irradiam com mais força o seu brilho, as árvores se ajoelham e o mar chora de tanto regozijo.


 

Até mesmo os anjos ficam maravilhados ao tão sublime amor nos olhos do pai ao acolher seu filho. O filho que esteve longe e volta para casa com algumas feridas, chora e ao mesmo tempo se alegra com o carinho e os cuidados do pai.


 

Uma grande festa é preparada para celebrar os convidados do filho. Convidados que também vieram de lugares distantes, mas que o pai os receberam como seus próprios filhos. O banquete é saboreado dentro de grandes tendas brancas, o melhor vinho é servido em sinal de uma aliança eterna onde o filho nunca mais sairá da casa do pai e os convidados do filho se tornaram co-herdeiros porque foram adotados pelo pai como seus próprios filhos.

quinta-feira, 17 de dezembro de 2009

O concilio de Copenhague e as profecias bíblicas.

Por Giliardi Rodrigues


 


 

Mais um fim de ano segundo o calendário gregoriano. Dois mil e poucos anos se passaram depois Jesus, não sabemos ao certo mais quantos anos passarão até que o nosso planeta suporte com seus recursos naturais as demandas e os maus tratos dos seres humanos.

Em Copenhague na Dinamarca os lideres das principais nações da terra se reuniram para discutir e tentar encontrar uma solução para o futuro do nosso planeta. Acontece que mesmo diante de uma situação critica o dinheiro ainda tem falado mais alto e sido em vez de solução, um empecilho para aprovisionar recursos e tecnologias para ajudar o nosso planeta.

Nações como EUA e China estão tendo dificuldades em se comprometer em diminuir seus indicies de poluição e exploração de recursos naturais, tudo isso porque ambos são sem sombra de dúvida os grandes vilões do nosso planeta, pois além de serem os responsáveis por grande parte da poluição, não querem assumir metas de comprometimento ao combate as mudanças climáticas.

Parece que a torre de babel se instalou em Copenhague, ninguém fala a língua de ninguém e quando fala ninguém entende. Se é difícil entrar em um acordo e consenso quanto mais apresentar soluções. O fato é que não é de hoje que estes assuntos são levantados e discutidos, também não será da noite para o dia que o problema será resolvido.


 

Enquanto isso...


 

A igreja que tem o papel de ser agente de transformação na terra e canal de D'us diante das nações permanece omissa, parece que assuntos de supra importância como este não comove os religiosos que estão mais preocupados com assuntos terceiros.

No ocidente ou mais precisamente no Brasil são mais de 25.000 (vinte e cinco mil) denominações cristãs diferentes. Cada uma tem a sua própria doutrina e o mais curioso é o fato de quase nenhuma igreja viver em acordo com a outra, o que não deixa de ser um tipo de "Babel".

A onda do momento é a teologia da prosperidade. Os lideres protestantes prometem bênçãos de D'us através de dízimos e ofertas dos fieis. Outras igrejas também da linha protestante que não aderiram ao movimento pentecostal, estão focadas em salvar apenas as almas dos pecadores. A igreja católica embora ainda tendo a maioria dos adeptos (praticantes e não praticantes) parece focar mais na tradição religiosa e estar fora de assuntos que envolvem o futuro do nosso planeta.

Durante séculos o cristianismo pregou o fim do mundo, o arrebatamento, a vinda do Messias, o anticristo, a besta, o arrependimento dos pecadores e uma série de outras doutrinas, no entanto nestes dias estes ensinamentos ou parte deles caíram no esquecimento.

O mais intrigante é que enquanto instituições religiosas travam uma guerra particular por dinheiro, por membros, por ser maior do que a outra, por se a única dona da verdade, por assuntos alheios e ou ligados a estes, o mundo vai girando e o tempo passando. Até mesmo os cientistas são atemorizados com as previsões das catástrofes que estão por assolar nosso planeta. (Tsunamis, terremotos, maremotos, aquecimento global, derretimentos dos polos, furacões, inundações etc.).

Tese judaica

Segundo o calendário judaico estamos no ano 5770 (2009 calendário cristão) contados deste o Bereshit (Genesis),. Existe uma crença segundo a tradição judaica que no ano 6000 (seis mil) a terra deverá entrar no milênio shabático, ou seja, passar mil anos de descanso.

A bíblia fala que o Messias virá para trazer paz sobre as nações e reinar por mil anos sobre a terra, neste tempo satanás ficará preso (Ap 20: 2-3). Neste período pós guerra e devastação quase completa da terra, começa uma nova era, um tempo de paz e de reconstrução do planeta terra.

O profeta Miqueias (1:1-5) diz:

Mas, nos últimos dias, acontecerá que o monte da casa do Senhor será estabelecido no cume dos montes, e se elevará sobre os outeiros, e concorrerão a ele os povos. E irão muitas nações, e dirão: Vinde, e subamos ao monte do Senhor, e à casa do Deus de Jacob, para que nos ensine os seus caminhos, e nós andemos pelas suas veredas; porque de Sião sairá a lei, e a palavra do Senhor de Jerusalém. E julgará entre muitos povos, e castigará poderosas nações, até mui longe, e converterão as suas espadas em enxadas, e as suas lanças em foices: uma nação não levantará a espada contra outra nação, nem aprenderão mais a guerra. Mas assentar-se-á cada um debaixo da sua videira, e debaixo da sua figueira, e não haverá quem os espante, porque a boca do Senhor dos Exércitos o disse. Porque todos os povos andarão, cada um, em nome do seu deus; mas nós andaremos no nome do Senhor, nosso Deus, eternamente, e para sempre.

Ora, se a crença judaica estiver certa, falta um pouco menos de 250 anos para isso acontecer. Esta estimativa está bem próxima das previsões cientificas com relação a sustentabilidade dos recursos naturais da terra. Já estamos vivendo momentos de escassez de água potável em regiões de muitos países, e um dos motivos para estourar um guerra pode ser "água", sem contar que a exploração e mau uso destes recursos, podem abreviar os anos.

O mundo tem centenas de motivos para uma guerra mundial, deste a disputa por recursos naturais, destes interesses políticos e religiosos. Creio que assim como Kyoto, Copenhague será um divisor de águas na historia da humanidade, pois através destes encontros com os lideres das nações que saberemos como será o futuro do nosso planeta e mesmo que haja um acordo em curto prazo, tudo caminha de acordo com a cronologia profética bíblica, ou seja , para o fim e/ou o inicio de um novo tempo.


 

sábado, 12 de dezembro de 2009

Como é belo o horizonte daqui e de Sião.

Por Giliardi Rodrigues


 


 

Como és belo

Meu Belo Horizonte,

De tantos montes,

Relembra-me Sião.

De nascentes e montanhas,

Pelas tuas entranhas

Correm rios tão belos

Como o Jordão.

Essa terra tão doce

Confunde-me como se fosse

A Canaã que mana leite e mel,

Duas terras distantes

Preciosa como diamantes

Nelas vivo um pedacinho do céu.

sexta-feira, 11 de dezembro de 2009

A sabedoria, a profecia e o Senhor Eterno.


 

Perguntaram a sabedoria:

- Qual deve ser a punição de um pecador?

E a sabedoria respondeu:

- A desgraça persegue os pecadores (Provérbios 13:21).

Então perguntaram a profecia:

- Qual deve ser a punição de um pecador?

E a profecia respondeu:

- A alma que peca morrerá (Ezequiel 18:4/18:20).

Então perguntaram para ao Senhor Eterno:

- Qual deve ser a punição de um pecador?

E ele respondeu:

- Deixe-o que se arrependa, e ele será perdoado.


 

O amor de D'us rompe as barreiras do entendimento, de forma que nem mesmo os grandes sábios e profetas puderam compreender a sua plenitude. O apostolo dos gentios disse que o amor é maior que todas as coisas, até mesmo superior à fé e a esperança, pois sem amor nada somos (1 Coríntios 13).

Yeshua disse que toda a lei e os profetas se resumem apenas no amor a D'us sobre todas as coisas e ao próximo como a si mesmo (Mateus 22:36-40) – Quem procura guardar a lei e não ama o seu próximo é mentiroso, pois como pode amar a D'us pelo qual nunca viu e não ama o próximo que se pode ver?

Somente quem ama é capaz de perdoar!


 

Babel e Sião!

Por Mauricio Mindrisz




Sôbolos rios que vão
Por Babilônia, me achei,
Onde sentado chorei
As lembranças de Sião
E quanto nela passei. 


Ali, o rio corrente
De meus olhos foi manado
E, tudo bem comparado,
Babilônia ao mal presente


Sião ao tempo passado.
A vós só me quero ir,
Senhor e grão Capitão
Da alta torre de Sião,
À qual não posso subir,
Se me vós não dais a mão. 


No grão dia singular
Que na lira o douto som
Hierusalém celebrar,
Lembrai-vos de castigar
Os ruins filhos de Edom.

domingo, 6 de dezembro de 2009

É melhor para Israel que todos os missionários cristãos voltem para casa

Entrevista com Joseph Shulam

O judeu messiânico Joseph Baruch Shulam é taxativo: Os missionários cristãos em Israel têm usado métodos não-éticos e não-bíblicos para atrair pessoas para suas congregações. Além disso, a estratégia de ajudar judeus a emigrarem e então evangelizá-los é uma velha tática missionária que não funciona e não é honesta: é um programa com propósitos escondidos. Nascido em Sofia, Bulgária, em 1962, circuncidado ao oitavo dia e levado pelos pais para Israel menos de 2 anos depois, Shulam tornou-se discípulo de Jesus aos 16 anos, depois de ter lido vários livros sobre o cristianismo para fazer um trabalho escolar. Casado com Marcia Saunders Shulam, pai de dois filhos e autor de dois volumosos comentários bíblicos, o de Romanos, com 500 páginas (The Jewish Roots of Romans) e o de Atos, com 1.600 páginas (The Jewish Roots of Acts), o notável estudioso da Bíblia (já leu o Novo Testamento centenas de vezes) vive em Jerusalém e é o responsável pela Congregação Roeh Israel. Seu campo de trabalho abrange vários países (Finlândia, Rússia, EUA, Japão, Coréia do Sul etc.) e inclui o Brasil, onde esteve no final de fevereiro. A presente entrevista foi feita pelo correio eletrônico, quando Shulam estava em Curitiba.



Ultimato - Parece que o termo “sionismo” foi usado pela primeira vez em 1893, há 111 anos. O que ele significa precisamente?

Shulam - O povo judeu tem estado no exílio desde a destruição do templo em Jerusalém no ano 70 d.C. Durante a maior parte desse tempo, os judeus foram perseguidos, expulsos de seus países pelos tiranos e reis em toda a Europa, Rússia e até mesmo na América do Sul. A Inquisição Espanhola perseguiu-os pelo mundo todo. Até o fim do século 19, eles não tinham esperança de poder voltar à sua pátria, que Deus dera a Abraão, Isaque e Jacó, e a todos os seus descendentes. Mas, como resultado de brutais perseguições e injustiças da Revolução Francesa, os judeus sentiram que o peso do jugo do exílio já era demasiado para suportar. Vários judeus, como Theodoro Herzl, queriam pôr um fim a essa longa “Via Dolorosa” de sofrimento. Ele pretendia a sua emancipação, constituindo o seu próprio Estado. Chama-se sionismo por causa do desejo de verem as profecias em relação a Sião serem cumpridas.



Ultimato - O sionismo de Theodoro Herzl é o mesmo “sionismo espiritual” de Asher Guinzberg?

Shulam - O sionismo de Theodoro Herzl basicamente terminou com o estabelecimento do Estado Judeu. Estamos vivendo agora uma era pós-sionista. Atualmente os antigos sionistas estão buscando uma nova identidade. Na minha opinião, o novo sionismo deverá incluir não somente os judeus, mas também os cristãos que crêem no cumprimento das promessas proféticas em relação a Israel. Estas se encontram incluídas nas palavras de Isaías como uma parte da reedificação, do retorno e da reivindicação da herança espiritual de Israel, que é uma parte essencial da identidade, do caráter e o do futuro do Corpo de Yeshua, o Messias. O sionismo deve ser espiritual e não somente físico. Já cumprimos a parte física, voltando à terra que Deus deu a Abraão. A dificuldade é agora reivindicar a nossa herança espiritual que, sem sombra de dúvida, inclui Yeshua como o nosso Messias.



Ultimato - Quem são os judeus messiânicos?

Shulam - Os judeus messiânicos são, em primeiro lugar, judeus. Ninguém pode ser um judeu messiânico, sem ser primeiramente judeu. Muitos de nossos irmãos no Brasil e nos Estados Unidos ainda não aprenderam isso. Existem muitos indivíduos que não são judeus, mas querem ser judeus messiânicos — e isso não funciona. É o mesmo que tentar fazer canja de galinha sem a galinha! Porém, se alguém é judeu e crê que Jesus é o Messias, e não abandonou a sua identidade judaica, então ele é um judeu messiânico. Significa que ele é um judeu que tem Yeshua como seu Senhor, seu Mestre e Salvador.



Ultimato - Como o senhor se tornou judeu messiânico?

Shulam - Em primeiro lugar, nasci judeu, filho de pais judeus, fui circuncidado no oitavo dia e meus pais me levaram para Israel quando eu tinha menos de 2 anos. Nada fiz para me tornar judeu. Em segundo lugar, quando me tornei um discípulo de Yeshua Ha Mashiach, em 1962, fui batizado e recebi o Espírito Santo. Deus acrescentou-me à sua Igreja, ou seja, tornei-me um discípulo de Jesus. O processo de minha conversão começou quando um professor, que não é crente, pediu-me para escrever um trabalho sobre o cristianismo, e eu tive de ler muitas obras a esse respeito. Foi isso o que deu realmente início à minha busca pessoal, até que encontrei Jesus, ou, melhor, Jesus me encontrou!



Ultimato - Como o senhor vê a conversão de Paulo?

Shulam - Bem, passei anos estudando Paulo e escrevendo livros sobre Paulo, e agora mesmo estou escrevendo um comentário sobre o livro de Gálatas. Portanto, eu poderia falar bastante sobre Paulo. Ele era um rabino judeu altamente instruído e culto; um membro do governo com autoridade diplomática — de outro modo, não teria sido enviado pelo sumo sacerdote a um país estrangeiro, com ordens de extraditar um judeu crente e trazê-lo para a terra de Israel. Paulo era uma pessoa com total dedicação que tinha “status” oficial. Na estrada de Damasco, o Senhor concedeu-lhe graça especial, aparecendo para ele, mas esta não foi a conversão real do apóstolo Paulo, ao contrário do que muitos pensam. Se lermos Atos 22.10-16, veremos que Paulo converteu-se depois que Ananias lhe pregou o evangelho, depois que seus olhos foram curados da cegueira e as escamas caíram, depois de ter sido batizado e ter tido seus pecados perdoados. Yeshua não disse: “Converta-se, faça uma pequena oração e vá cumprir sua missão”. Ele teve de ouvir o evangelho, arrepender-se, ser batizado e instruído.



Ultimato - Como o senhor interpreta as palavras de Paulo aos Romanos, segundo as quais o endurecimento de Israel não é definitivo e, ao chegar a plenitude dos gentios, “todo o Israel será salvo” (Rm 11.25-32)?

Shulam - Paulo tem uma teologia muito interessante a respeito do relacionamento entre os judeus e os gentios, e ele diz algo chocante para a maioria das pessoas. Já li o Novo Testamento centenas de vezes. Entendo que os gentios foram incluídos no reino de Deus com o propósito de provocar o ciúme dos judeus. Em outras palavras, a missão da igreja gentia, de acordo com o apóstolo para os gentios, é a de provocar o ciúme dos judeus. Paulo baseia-se em Deuteronômio 32.17-21, em que Moisés profetizou que isto é o que Deus iria fazer. Visto que eles o provocaram com sua idolatria, Deus usará os próprios gentios para provocarem os judeus a voltarem para Ele. Paulo diz que, embora os ramos tenham sido cortados da oliveira, Deus tem a capacidade de enxertá-los novamente “e assim todo o Israel será salvo” (Rm 11.26). Não há dúvidas a respeito disso!



Ultimato - O Holocausto contribuiu para amolecer o endurecimento de Israel?

Shulam - Esta é uma pergunta difícil. Eu não sei. Não sei se Deus usou o Holocausto para endurecer ou amolecer o coração dos judeus. Não sei o que teria acontecido se não tivesse havido o Holocausto. Nasci depois do Holocausto. Minha irmã nasceu antes e meus pais tiveram de passar por ele. Portanto, sou de uma segunda geração de sobreviventes do Holocausto. Eu penso que ele não ajudou em nada. Na realidade, foi um dano e um instrumento do Diabo para afastar o povo judeu para mais longe ainda da cruz e de Yeshua. Claro, houve algumas pessoas que se tornaram crentes durante o Holocausto, mas a maior parte do povo judeu endureceu o coração ainda mais. Os alemães eram os assim chamados cristãos; eles iam à igreja aos domingos. Quando os soldados da Wehrmacht e os oficiais nazistas levantavam-se pela manhã, antes de saírem para executarem sua missão, eram abençoados pelo capelão do campo de extermínio, que era luterano, um pastor evangélico! Assim, acho que o Holocausto nada fez de bom para o povo judeu.



Ultimato - O senhor aguarda o segundo advento de Jesus em poder e muita glória? Quando se dará a parúsia?

Shulam - Sim! Espero por isso hoje! Espero que seja agora! Mas, se não for hoje, estarei feliz em recebê-lo em qualquer tempo em que Ele venha! Quanto mais depressa Ele vier, melhor! Mas ninguém sabe o dia, a época e a hora, nem mesmo o próprio Jesus. Se aparece por aí algum pastor e afirma que sabe, então ele sabe mais do que Jesus — por isso deveria ser considerado um falso profeta!



Ultimato - Sabemos que há liberdade de culto em Israel. Pode-se dizer o mesmo quanto à liberdade de proclamação do evangelho?

Shulam - O Estado de Israel não persegue os crentes em Israel, não persegue os cristãos em Israel nem os muçulmanos. É muito liberal e dá a todos o direito de acreditar no que quiserem. O problema é que eles interpretam “liberdade religiosa” de um modo diferente. Em Israel, as pessoas não têm o direito de exercer pressão ou convencer alguém para mudar a sua crença, usando suborno, coerção ou aproveitando-se da fraqueza alheia. Concordo 100% com isso. Acho que o cristianismo é uma fé, e não uma religião. Portanto, uma pessoa somente pode tornar-se um crente se crer, ouvir o evangelho, estudar e conhecer a Jesus — e não por darmos alimentos, roupas ou qualquer outro bem material. A idéia de ajudar os judeus a emigrarem e então evangelizá-los é uma velha tática missionária que não funcionou e jamais funcionará. É um programa com propósitos escondidos; não é honesto.



Ultimato - Israel precisa de missionários cristãos?

Shulam - Não acho que Israel precisa de missionários cristãos. Acho que seria melhor para Israel se todos os missionários cristãos voltassem para casa. Por quê?

1) Eles trazem consigo denominações, o que causa divisões — no Brasil, nos Estados Unidos e onde quer que seja. Os pentecostais e os carismáticos acham que os batistas não são salvos. E é assim. Agora, Deus está restaurando e trazendo o povo judeu de volta à sua terra. Então, precisamos de mais divisão ou de mais unidade? Estamos vindo dos mais diversos países, línguas, cores, para nos reunirmos na terra de Israel — as profecias dizem isso também. Deus nos dará um Pastor e fará de nós um só povo. Jeremias e Ezequiel o afirmam claramente. Como poderemos nos tornar um só povo sob um só Pastor se nos tornarmos presbiterianos, católicos, pentecostais, todos brigando uns com os outros?

2) Os missionários cristãos em Israel têm usado métodos não-éticos e não-bíblicos para atrair pessoas para as suas congregações. Eles buscam os fracos e os pobres, e não os educam. Eles têm usado meios materiais para pressioná-los a se tornar membros de suas igrejas, e isso não é bom.

3) Creio que o povo judeu será capaz de apresentar Jesus, o Messias, muito melhor sozinho, pois sinto que Jesus precisa tornar-se uma palavra familiar para o povo judeu, sem misturar os gentios nesse quadro. Na história de José, quando ele quis revelar sua identidade a seus irmãos, pediu aos egípcios que saíssem: “Quero ficar sozinho com meus irmãos”. Acho que isso acontecerá no final: Jesus vai revelar-se ao povo judeu dentro de um contexto judaico, sem interferência das denominações cristãs.

Todos nós apreciamos o que os missionários têm feito. A maioria dos crentes judeus da minha geração tornou-se crente por meio de um missionário cristão, um pastor ou uma pessoa cristã, o que apreciamos. Mas agora já amadurecemos. Entretanto, os missionários cristãos nunca nos disseram: “Agora vocês são independentes e podem tomar suas próprias decisões. Confiamos em vocês.” Isso aconteceu na África, na China, mas não com os judeus. Portanto, o melhor seria agora que eles voltassem para casa. Acredito que podemos apresentar Jesus ao nosso povo de maneira bem eficiente.

Por outro lado, eu gostaria muito que os cristãos viessem a Israel! Acho absolutamente necessário que os cristãos venham visitar o país e conheçam a terra, aprendam com os crentes judeus, com eles se confraternizem e lhes prestem apoio político, espiritual e emocional. Isso é realmente necessário e importante. O amparo dos cristãos a Israel é de suma importância, mas é algo bem diferente de enviar missionários que dominam os crentes locais, em vez de tratá-los como irmãos em Yeshua.

Todas as congregações judaicas estão crescendo, não só numérica (agora há cerca de 100 congregações) mas também espiritualmente, e a unidade está aumentando entre todos os crentes judeus no país. Creio que isso é só o começo. Quando me tornei crente em 1962, havia menos de 50 crentes judeus. Hoje, consideramos que há pelo menos 7 mil. É um tremendo crescimento! Se esse ritmo continuar nos próximos 20 anos, teremos milhões de crentes judeus em Israel!
 
 

terça-feira, 1 de dezembro de 2009

A língua dos anjos, o dom de línguas estranhas, as línguas estrangeiras e a festa de Shavuot (Pentecostes).





Por Giliardi Rodrigues


Ainda que eu falasse as línguas dos homens e dos anjos, e não tivesse amor, seria como o metal que soa, ou como o sino que tine. (1 Coríntios 13:1).
É muito comum no meio carismático, renovado, reformado e no meio pentecostal pessoas se apegarem neste versículo para dizer que no batismo do Espírito Santo as línguas estranhas se refere às línguas dos anjos. Entretanto não há nenhuma referencia na bíblia que alguém tenha falado as línguas dos anjos ou até mesmo que os anjos tem um idioma distinto das línguas dos homens.
O apostolo Paulo na carta aos coríntios falando sobre o dom sublime “O Amor”, usa uma figura de linguagem para explicar que este dom esta acima de todas as coisas. O texto do apostolo não foca e nem explica o dom de línguas e nem o idioma dos anjos.

Mas afinal qual é a língua dos anjos?

Segundo a bíblia não podemos ver um anjo falando um idioma diferente da língua dos homens. Os anjos são ministros representantes encarregados para trazer alguma mensagem da parte de D'us aos homens.
Todas as vezes que um anjo aparecia na bíblia para falar com o homem era no idioma nativo do homem. Quando o anjo apareceu para Moises na sarça ardente ele falava de forma clara, de maneira que Moises entendia perfeitamente e dialogava com ele (Êxodo 3:2). Quando o anjo apareceu para Daniel ele falou no idioma que o profeta falava e conhecia (Daniel 10:12). Quando Maria recebeu o anjo Gabriel e ele anunciou o nascimento de Jesus, o anjo falava na língua própria de Maria. (Lucas 1:28).
Segundo a bíblia todas as vezes que o anjo vinha para trazer uma mensagem da parte de D'us era de forma clara e no idioma dos homens, em todos os casos citados foi o hebraico.

Onde surgiram as línguas estranhas?

Na verdade não são línguas estranhas e sim línguas estrangeiras. O primeiro relato que temos deste evento foi em êxodo 19 na revelação do Sinai. Quando D'us se manifestou ao povo hebreu após de ter tirado os filhos de Israel da terra do Egito.
Cinquenta dias após a páscoa o povo hebreu estava aos pés do monte Sinai para celebrar a festa das semanas, também chamada de shavuot ou pentecostes. Uma nuvem de fogo desceu sobre o monte e D'us falava em voz alta com Moises. O monte tremia e o povo ouvia som de buzinas, trovões, shofar e uma voz que saia de uma chama de fogo e se repartia em 70 idiomas. O monte fumegava e ninguém com exceção de Moises podia tocar no monte, pois poderia morrer (Ex19).
Porque não chegastes ao monte palpável, aceso em fogo, e à escuridão, e às trevas, e à tempestade, E ao sonido da trombeta, e à voz das palavras, a qual, as que a ouviram pediram que se lhes não falasse mais; Porque não podiam suportar o que se lhes mandava: se até um animal tocar o monte, será apedrejado. Tão terrível era a visão, que Moisés disse: Estou todo assombrado e tremendo. (Hebreus 12:8) - Ordenou-o em José por testemunho, quando saíra contra a terra do Egito, onde ouviram uma língua que não entendia. (Salmos 81:5)
Segundo o comentário rabínico de Rash quando a lei (Torah) foi revelada ao povo hebreu algo sobrenatural aconteceu. Foi tão forte que nem mesmo quem estava presente pode compreender o milagre em sua plenitude. Este evento no Sinai marcou não somente a historia do povo israelita, como prescreveu o destino da humanidade.
O decálogo é base da Torah e sustenta toda a estrutura da bíblia, a única parte da bíblia que foi escrita com o próprio dedo de D'us foi os 10 mandamentos. Por isso que para um judeu a Torah é a relação entre o homem e D'us, a Torah é a própria palavra revelada de D'us.
Através de Abraão Israel foi eleito por D'us como o povo que carregaria a semente do Messias (Gn 3:15) e levaria a Torah a todos os povos da terra. A revelação do Sinai não era exclusiva para a um povo e deveria alcançar as nações. A lei (10 mandamentos) não é um ato de graça da parte de D'us somente aos judeus, mas um pacto que tem a finalidade de conduzir a humanidade à salvação através da obediência à palavra de D'us. 
Naquela época acreditava que existiam apenas 70 nações, pois a America ainda não havia sido descoberta e nem havia ainda tantos países no continente africano. O numero 70 na bíblia em muitos aspectos remete as nações. Ate mesmo Jesus além dos discípulos, tinha mais 70 apóstolos que ele treinou para pregar à mensagem do Reino as nações (Lucas 10:1).
Para cumprir as escrituras e a profecia de Isaias, Jesus ordena que o evangelho do Reino chegue ate aos confins da terra. Para que povos possam converter o seu coração a D'us e aceitar o filho de Davi como rei de todos os povos e nações. Que todos possam ter a oportunidade de conhecer o Messias e desfrutar das mesmas bênçãos e promessas que D'us tinha através do pacto feito a Abraão de abençoar toda a humanidade.
E abençoarei os que te abençoarem, e amaldiçoarei os que te amaldiçoaram; e em ti serão benditas todas as famílias da terra. (Genesis 12:3)
As promessas de D'us a Abraão se estenderia a todos os homens através do Messias, ele é o filho de D'us que tem por missão trazer salvação, vida eterna e paz sobre as nações. Uma vez que ele é rei e governará sobre os povos da terra, no mínimo tem que falar e entender os idiomas dos homens.

Para que serve o dom de línguas

Este é um dom especial que é dado pelo Espírito Santo (Ruach HaKodesh), tem por finalidade levar a mensagem do Reino aos que ainda não experimentaram o poder e os milagres de D'us.
Assim como os estrangeiros que estavam em Jerusalém ficaram maravilhados de ouvir a mensagem do reino de D'us através da boca dos apóstolos. Ainda nos dias de hoje temos relato de um cristão que cheio do Espírito Santo profetizou em outra língua que ele mesmo não conhecia (árabe) e um irmão Iraquiano ao ouvir ficou maravilhado e entregou o seu coração a Yeshua HaMashiach (Jesus o Messias).
O apostolo Paulo diz na sua carta aos coríntios que devemos buscar com zelo os dons do Espírito Santo. E após receber esses dons da parte de D'us devemos desenvolver os frutos e dar bom testemunho.
A bíblia diz que o Espírito de D'us habita onde existe santidade. Jesus disse que uma árvore má não pode produzir bons frutos e nem uma árvore boa produzir frutos maus. Assim uma pessoa que tem os dons do Espírito Santo não pode viver no pecado e na iniquidade.
O dom de línguas é um dom raríssimo, privilegio de poucas pessoas que vivem uma vida de santidade e de busca continua da palavra de D'us. Por isso grande partes das pessoas que dizem possuir esse dom são na verdade mentirosos e falsos profetas. A bíblia diz que os apóstolos tinham o Espírito Santo de D'us e até mesmo a sombra deles curavam pessoas, as vestes dos apóstolos operavam milagres, a oração deles eram ouvidas por D'us e através deles muitas pessoas eram salvas.
O contrario de hoje pessoas sem testemunho e por não conhecer a palavra de D'us vivem falando shemanaia, hetassuriambas, re-Tetê, parashurata e outras coisas dentro desta linha e sem sentido nenhum. A bíblia diz que D'us não é um D'us de confusão e tão pouco habita no meio do caos e do sectarismo.
 A libertação espiritual é para todos. Todos podem entender a mensagem do evangelho e do reino de D'us. Não existe uma cultura ou idioma no qual esta mensagem não possa ser pregada ou compreendida.

I CORÍNTIOS 14 - O dom da profecia é superior ao das línguas

Segui a caridade, e procurai com zelo os dons espirituais, mas, principalmente, o de profetizar. Porque, o que fala língua estranha não fala aos homens, senão a Deus; porque ninguém o entende, e em espírito fala de mistérios. Mas, o que profetiza fala aos homens para edificação, exortação e consolação. O que fala língua estranha edifica-se a si mesmo; mas o que profetiza edifica a igreja.
E eu quero que todos vós faleis línguas estranhas, mas, muito mais, que profetizeis; porque, o que profetiza é maior do que o que fala línguas estranhas, a não ser que também interprete, para que a igreja receba edificação. E agora, irmãos, se eu for ter convosco, falando línguas estranhas, que vos aproveitará, se vos não falar, ou por meio da revelação, ou da ciência, ou da profecia, ou da doutrina?
Da mesma sorte, se as coisas inanimadas, que fazem som, seja flauta, seja cítara, não formarem sons distintos, como se conhecerá o que se toca com a flauta ou com a cítara? Porque, se a trombeta der sonido incerto, quem se preparará para a batalha?
Assim, também, vós, se com a língua não pronunciardes palavras bem inteligíveis, como se entenderá o que se diz? porque estareis como que falando ao ar.
Há, por exemplo, tanta espécie de vozes no mundo, e nenhuma delas é sem significação. Mas se eu ignorar o sentido da voz, serei bárbaro para aquele a quem falo, e o que fala será bárbaro para mim. Assim, também, vós, como desejais dons espirituais, procurai abundar neles, para edificação da igreja.
Pelo que, o que fala língua estranha ore, para que a possa interpretar. Porque, se eu orar em língua estranha, o meu espírito ora, mas o meu entendimento fica sem fruto. Que farei, pois? Orarei com o espírito, mas também orarei com o entendimento; cantarei com o espírito, mas também cantarei com o entendimento.
De outra maneira, se tu bendisseres com o espírito, como dirá o que ocupa o lugar de indouto, o Ámen, sobre a tua ação de graças, visto que não sabe o que dizes? Porque, realmente, tu dás bem as graças, mas o outro não é edificado.
Dou graças ao meu Deus, porque falo mais línguas do que vós todos. Todavia, eu antes quero falar, na igreja, cinco palavras na minha própria inteligência, para que possa também instruir os outros, do que dez mil palavras em língua desconhecida.
Irmãos, não sejais meninos no entendimento, mas sede meninos na malícia, e adultos no entendimento. Está escrito na lei: Por gente de outras línguas, e por outros lábios, falarei a este povo; e, ainda assim, me não ouvirão, diz o Senhor. De sorte que as línguas são um sinal, não para os crentes, mas para os descrentes; e a profecia não é sinal para os descrentes, mas para os crentes.
Se, pois, toda a igreja se congregar num lugar, e todos falarem línguas estranhas, e entrarem indoutos ou descrentes, não dirão, porventura, que estais loucos? Mas, se todos profetizarem, e algum indouto ou infiel entrar, de todos é convencido, de todos é julgado.
Os segredos do seu coração ficarão manifestos e, assim, lançando-se sobre o seu rosto, adorará a Deus, publicando que Deus está, verdadeiramente, entre vós.

A realidade profética - As profecias de Joel e Atos

Tocai a buzina em Sião, e clamai em alta voz, no monte da minha santidade: perturbem-se todos os moradores da terra, porque o dia do Senhor vem, ele está perto: Dia de trevas e de tristeza; dia de nuvens e de trevas espessas, como a alva espalhada sobre os montes, povo grande e poderoso, qual desde o tempo antigo nunca houve, nem depois dele haverá pelos anos adiante, de geração em geração. Diante dele, um fogo consome; e atrás dele, uma chama abrasa: a terra diante dele é como o jardim do Éden, mas atrás dele, um desolado deserto; sim, nada lhe escapará. O seu parecer é como o parecer de cavalos: e correrão como cavaleiros. Como o estrondo de carros sobre os cumes dos montes, irão eles saltando; como o ruído da chama de fogo que consome a pragana, como um povo poderoso, ordenado para o combate. (Joel 2:1-5)
A profecia do profeta Joel remete em proporções gigantescas o evento do Sinai. Nos últimos dias o Senhor vem como chama de fogo para julgar os povos, condenar os ímpios e dar por herança a vida eterna e o paraíso (Éden) aos justos que foram salvos pelo o Messias. 
E vós sabereis que eu estou no meio de Israel, e que eu sou o Senhor, vosso Deus, e ninguém mais: e o meu povo não será envergonhado para sempre. E há de ser que, depois, derramarei o meu Espírito sobre toda a carne, e vossos filhos e vossas filhas profetizarão, os vossos velhos terão sonhos, os vossos mancebos terão visões. E, também, sobre os servos e sobre as servas, naqueles dias, derramarei o meu Espírito. E mostrarei prodígios no céu, e na terra, sangue e fogo, e colunas de fumo. O sol se converterá em trevas, e a lua em sangue, antes que venha o grande e terrível dia do Senhor. E há de ser que, todo aquele que invocar o nome do Senhor será salvo; porque, no monte de Sião e em Jerusalém haverá livramento, assim como o Senhor tem dito, e nos restantes, que o Senhor chamar. (Joel 2:27-32)
A profecia do texto é clara, se trata dos últimos dias (O sol se converterá em trevas e a lua em sangue – “Isso ainda não aconteceu”). O que muitas pessoas não entendem é que as profecias são dinâmicas, tem um papel histórico e um caráter escatológico. Parte desta profecia se cumpriu 50 dias depois da páscoa e da morte de Jesus na cruz, de forma semelhante ao evento do Sinai, todos estavam reunidos em Jerusalém para celebrar a festa de pentecostes, havia pessoas de varias nações e o Espírito de D’us veio como um vento impetuoso batizando os judeus e distribuindo línguas como de fogo entre eles. Os judeus receberam o dom de língua para pregar aos estrangeiros que estavam presentes, ao modo, que eles ao ouvirem os judeus pregando e profetizando na língua das nações ficaram maravilhados.
Existem pessoas que oram a D'us pedindo fogo sobre elas, isso é um erro grave, pois se quando pede a D'us fogo, na verdade esta clamando por juízo para a sua própria vida. Vejo que D'us é movido nestes casos mais pela a misericórdia através da ignorância de algumas pessoas do que pela a sua própria justiça. 
A bíblia quando fala de fogo se trata de juízo. Assim foi em Sodoma e Gomorra quando D'us executou juízo, as cidades foram consumidas pela a chuva de fogo que caia do céu. No Sinai quando a lei foi revelada através de Moises era para levar o povo hebreu ao arrependimento, quem não obedecesse à lei padecia no deserto ou era morto pelo o apedrejamento. Os profetas quando falam de fogo se referem a juízos sobre as nações.  Ate mesmo João batista às margens do rio Jordão em um debate fervoroso com alguns fariseus disse que ele batizava com água e que haveria um que batizaria com fogo. João batista diz aos fariseus que se arrependam antes que isso aconteça, pois que não se arrepende dos seus pecados corre o risco de serem consumidos no juízo de D'us, ou seja, condenados a lago de fogo que estar reservado ao diabo e seus anjos.
A língua de fogo que os apóstolos receberam era para levar a justiça de D'us as nações, os gentios que receberam a palavra dos apóstolos (evangelho – boas novas de Jesus) foram salvos.
As línguas como de fogo dados aos apóstolos através do Espírito Santo tinha por caráter levar a palavra de D'us as nações da terra. Os apóstolos foram treinados por Jesus e tinham a missão de pregar as boas novas do evangelho até os confins da terra. Essa missão começou por Jerusalém, estavam reunidos em Sião pessoas de varias povos e nações quando os apóstolos ao receberam o Espírito Santo e começaram a falar e profetizar em outras línguas.
E, cumprindo-se o dia de Pentecostes (festa de shavuot), estavam todos reunidos no mesmo lugar; E de repente veio do céu um som, como de um vento veemente e impetuoso, e encheu toda a casa em que estavam assentados. E foram vistas, por eles, línguas repartidas, como que de fogo, as quais pousaram sobre cada um deles. E todos foram cheios do Espírito Santo, e começaram a falar noutras línguas, conforme o Espírito Santo lhes concedia que falassem. E em Jerusalém estavam habitando judeus, varões religiosos, de todas as nações que estão debaixo do céu. E, correndo aquela voz, ajuntou-se uma multidão, e estava confusa, porque cada um os ouvia falar na sua própria língua. E todos pasmavam e se maravilhavam, dizendo uns aos outros: Pois quê! Não são galileus, todos esses homens que estão falando? Como, pois, os ouvimos, cada um, na nossa própria língua em que somos nascidos? Partos e medas, elamitas e os que habitam na Mesopotâmia, e Judeia, e Capadócia, Ponto e Ásia. E Frigia e Panfília, Egito e partes da Líbia, junto a Cirene, e forasteiros romanos, tanto judeus como prosélitos, Cretenses e árabes, todos os temos ouvido, nas nossas próprias línguas, falar das grandezas de Deus. (Atos 2)
Há uma comparação entre o dom da Torah escrita nas tabuas de pedras dada no Sinai e o dom do Espírito que escreve a Torah nos corações dos homens. Ambos tinham por objetivo a libertação moral e espiritual, celebrados na festa de Pentecostes. Creio que este evento votará acontecer na vinda do Messias, pois colocará de fato a palavra de D'us dentro da mente e dos corações dos homens.
E acontecerá, nos últimos dias, que se firmará o monte da casa do Senhor no cume dos montes, e se exaltará por cima dos outeiros: e concorrerão a ele todas as nações, E virão muitos povos, e dirão: Vinde, subamos ao monte do Senhor, à casa do Deus de Jacob, para que nos ensine o que concerne aos seus caminhos, e andemos nas suas veredas; porque de Sião sairá à lei, e de Jerusalém a palavra do Senhor. E Ele exercerá o seu juízo sobre as gentes, e repreenderá a muitos povos; e estes converterão as suas espadas em enxadões, e as suas lanças em foices: não levantará espada nação contra nação, nem aprenderão mais a guerrear. (Isaias 2:2-4)
É interessante pensar que hoje no planeta terra temos mais de 200 nações, na sua grande maioria cada uma tem uma língua, dialeto ou idioma diferente. A bíblia diz que todo joelho se dobrará e toda língua confessará que o Messias é o Rei e filho de D'us. Já imaginou quando isso acontecer? Em qual idioma as nações da terra vão pronunciar isso? Quando o messias dirigir à palavra as nações, será em qual idioma?
Dentro desta dimensão que podemos fazer uma correlação entre o evento do Sinai, a profecia de Joel e o acontecimento de atos 2. Ora, o Messias vai falar em uma língua e cada individuo de cada nação irá ouvir e entender segundo o seu próprio idioma.
Os céus manifestam a glória de Deus e o firmamento anuncia a obra das suas mãos. Um dia faz declaração há outro dia, e uma noite mostra sabedoria a outra noite. Sem linguagem, sem fala, ouvem-se as suas vozes Em toda a extensão da terra, e as suas palavras até ao fim do mundo. Neles pôs uma tenda para o sol (salmos 19:1-4)




quinta-feira, 19 de novembro de 2009

Por, para e pelo o Senhor.

(Giliardi Rodrigues)


 

Pelos os caminhos da justiça

E pelas as veredas da verdade

Repouso a minha alma.

Pela a fé que me atiça

Pelo o caráter e lealdade,

A toda complexidade o meu coração se acalma.


 

Pelos os dons do espírito

Pela a unção derramada sobre mim

Que trabalho para o meu Senhor.

Pelo o gozo que sinto

Sei que a esperança não tem fim

Por isso sou fielmente ao amor.


 


 

domingo, 8 de novembro de 2009

A vinda do Reino de D'us e o governo do Mashiach.

Por Giliardi Rodrigues


 


 

Um menino nos nasceu, um filho se nos deu. Um homem, um profeta, um rei, um juiz, um eleito, um Elohim, o Mashiach – O filho de D'us.

Desde os tempos mais antigos e mais remotos da antiguidade a sua vinda foi anunciada e ansiosamente esperada. Os profetas, os reis e os sacerdotes falaram a seu respeito, pelos os anjos ele é conhecido como o Rei da Gloria.

O seu nome é Emanuel (D'us conosco), também ele é chamado e conhecido por Sar Shalom, maravilhoso, conselheiro, Pai da Eternidade, leão da tribo de Judá, eleito de Hashem, rei de Israel e o guarda de Sião. O seu nome é excelso e digno de honra e reverência. O Pai criador exaltou o nome de seu filho sobre todos os nomes, toda autoridade e todo o governo das nações estão debaixo do seu Reino.

A sua natureza é divina e ao mesmo tempo humana. Divina por ser imagem perfeita do Criador e humana por ser homem é passível de dor, fome e sofrimento. Ele é o redentor da humanidade e o consolador de israel. Ele é a vida, a verdade e o caminho de D'us. Tudo foi feito pelo Pai através dele e para ele, todas as coisas visíveis e invisíveis, os anjos, as potestades, os céus, a terra, os homens, as estrelas, a eternidade e o infinito.

Yeshua significa D'us é a nossa salvação. Ele é a Torah encarnada, o verbo que tabernáculou e viveu entre nós. Vimos a sua gloria como a gloria daquele que o enviou. Ele não foi ordenado por homens e sim pelo o Ruach HaKodesh (Espírito Santo), ele é a primícia da criação, o cordeiro de D'us que tira o pecado do mundo.

Ele foi rejeitado pelos os homens e pelos os da sua própria pátria. Ele foi um homem de dores, um homem que aprendeu a obedecer a D'us através do sofrimento. Mesmo sem culpa e sem pecado ele foi condenado à morte. Se pelo o erro de um homem o pecado entrou no mundo e causou tanta morte e destruição, da mesma forma por um justo que viveu uma vida de santidade, justiça e amor os homens alcançam perdão e misericórdia diante de D'us. Pela a morte dele todos fomos redimidos da escravidão das trevas, pelo o sangue de um homem justo, somos redimidos e restaurados a imagem e semelhança de D'us.

Se o salário da morte é o pecado, ele viveu uma vida sem pecados e por isso venceu a morte e ressuscitou. Hoje ele vive e com ele somos um diante de D'us. O seu amor nos une e nos faz um diante do Pai.

Hoje ele se assenta a destra do Pai, mas prometeu um dia voltar para ressuscitar os justos que dormem, para casar com sua noiva, restaurar Israel e governar com o seu povo sobre todas as nações. Ele virá sobre as nuvens com grande poder e glória, descerá sobre Sião e sobre a casa de David, e sobre os habitantes de Jerusalém, derramará o Espírito de graça e de súplicas, e olharão para ele, a quem traspassaram; e prantearão, como quem pranteia por um unigênito; e chorarão amargamente por ele, como se chora amargamente pelo primogênito. Naquele dia será grande o pranto em Jerusalém, E a terra pranteará. E se alguém lhe disser: Que feridas são essas nas tuas mãos? Dirá ele: São as feridas com que fui ferido em casa dos meus amigos. O Pastor ferido; o juízo final; a exaltação da Igreja.

Naquele dia, também, acontecerá que correrão de Jerusalém águas vivas. E o Senhor será rei sobre toda a terra: naquele dia, um será o Senhor, e um será o seu nome. Toda a terra em redor se tornará em planície, E habitarão nela, e não haverá mais maldição, porque Jerusalém habitará segura.

E acontecerá que, todos os que restarem de todas as nações que vieram contra Jerusalém, subirão de ano em ano para adorarem o Rei, o Senhor dos Exércitos, e celebrarem a festa de tabernáculos. E acontecerá que, se alguma das famílias da terra não subir a Jerusalém, para adorar o Rei, o Senhor dos Exércitos, não virá sobre ela à chuva.

Haverá paz sobre a terra e eterna alegria em Jerusalém, nunca mais se ouvirá choro e nem haverá sofrimento e morte.
O lobo e o cordeiro se apascentarão juntos, e o leão comerá palha como o boi, e pó será a comida da serpente. Não farão mal nem dano algum, em todo o meu santo monte, diz o Senhor.


 


 

quinta-feira, 5 de novembro de 2009

O 'Pai Nosso' em hebraico - Transliterado


 




Avinu ShabaShamayim 
(Nosso Pai Celestial)

Yikdash Shmecha
(Que o Teu Nome seja Venerado)

Tavo Malchutecha
(Que o Teu Reino venha)

Ye'aseh Retzonechah
(Que a Tua Vontade seja feita)

Kmoh VaShamayim Ken Baaretz
(No Céu e também na Terra)
     
Es Lechem Chukeinu Ten Lanu Hayom
(Dá-nos hoje o nosso pão diário)

U'Slach Lanu Es Chovateinu Kaasher Salachnu
(E perdoa nossos débitos como perdoamos)

Gam Anachnu LaChayaveinu
(também os nossos devedores)

V'al Tvi'einu Lidey Nisayon
(E não nos conduza à tentação)

Ki Im Chaltzeinu Min Harah
(Mas livra-nos do maligno)

Ki L'chah haMamlachah
(Pois Teu é o Reino)

V'hagvurah
(E o poder)

V'hatiferet
(E a glória (ou beleza))

L'almei olamim
(para sempre)

Amén
(Amém)


 

sábado, 31 de outubro de 2009

Em Adonay, através de Ruach HaKodesh, para Yeshua HaMashiach.

Por Giliardi Rodrigues


No Shalom

A vida, a prosperidade, a liberdade, a saúde e a sabedoria.

No Amém

D'us é fiel e justo para cumprir todas as suas promessas.

No Halleluyah

O louvor e a adoração ao único D'us Eterno Criador de todas as coisas.

No Melech Haolam

O governo e autoridade de D'us sobre todas as coisas.

No Baruch

As bênçãos do Eterno sobre nós.

Na Shechiná

A manifestação da presença de D'us diante dos homens.

No Kevod

O peso da glória sobre os santos.

No Ruach Hakodesh

O entendimento e a plenitude de D'us.

Em Yeshua HaMashiach

A árvore da vida, a Torah, o paraíso, a verdade e a vida.

Em Adonay Elohim

A eternidade, o infinito, a soberania, o amor e a justiça.

domingo, 25 de outubro de 2009

Céus + Terra = Paraíso (Gan Éden). E/ou Novos Céus e Nova Terra

Por Giliardi Rodrigues


Se D'us é imanente e transcendente,

Ele habita nos mais altos lugares

E também pode habitar no coração do homem.

Céu não é apenas olhar para cima e ver uma atmosfera azul,

Céu é o lugar da morada do Eterno,

Céu é a plenitude de tudo o que existe,

O céu não se limita a tempo e espaço.

Eu não preciso morrer para ir para o céu,

Pois o reino já foi revelado aos filhos de D'us.

O reino de D'us se achega a nós quando pela fé agarramos a ele,

Ou não sabeis que o Reino é tomado por força e por esforço

E os que se esforçam se apoderam dele?

Quando oramos dizemos ao Pai,

Vem a nós o teu Reino!

Por ventura, não sabeis o que é um Reino?

Ora, para haver um Reino tem que ter um Rei

Para o Rei governar é necessário um lugar,

Esse lugar tem que ser habitado por servos,

Os servos têm prazer em servir o rei e obedecer as suas leis.

A terra é a colônia dos céus,

Um lugar onde D'us construiu para o seu reino

Um lugar onde D'us deu ao homem autoridade para governar,

O homem é feito da terra e possui no seu corpo todos os elementos da terra,

O homem não foi feito para morrer

E nem para ser uma alma desencarnada para viver nos ares,

O homem é da terra, assim como a terra é para o homem,

Desde o principio D'us escolheu o homem para ser o mordomo da criação,

Para governar sobre os peixes, sobre as aves, sobre todos os animais e sobre toda a criação.

D'us fez a terra para morar juntamente com o homem,

No Bereshit D'us, o homem, os anjos, os animais e toda a criação habitavam juntos na mesma realidade e em plena harmonia.

D'us fez o bem e o mal, tudo o que existe foi feito por ele e para ele,

D'us fez as os céus, a terra, o universo e tudo que existe de visível e invisível.

A gloria de D'us se estende sobre céus e terra,

Não há nada que possa ser comparado ao Eterno, pois além dele nada existe e pode existir.

Se o pecado causou separação entre D'us e o homem

O Messias é o caminho, a verdade e a vida,

Ele é a ponte que conecta o criador com a criatura.

O paraíso não é uma utopia,

O paraíso é a realidade de D'us e o homem,

Um dia todos os mortos ressuscitarão e subirão com o Messias no Santo Monte do Senhor,

De mãos limpas e com o coração puro se renderão ao Criador de todas as coisas,

Ali um grande banquete será servido para os filhos da justiça.

No paraíso o amor e a justiça habitarão juntos,

O lobo será amigo da ovelha,

O leão comerá palha junto com os bois,

A criança brincará com a serpente e ela não lhe causará danos,

O paraíso é o lugar onde fica o trono de D'us,

O lugar onde a arvore da vida produz frutos para a cura de todas as doenças,

O lugar onde ouro, diamante, rubi, esmeralda, topázio, jaspe e a ametista são usados para enfeitar a ruas e os muros da cidade santa.

O lugar onde no livro da vida está o nome de todos os salvos e justos,

O lugar onde o Cordeiro de D'us é adorado pelo o seu povo,

O lugar onde o nome do Eterno é conhecido e exalto por todos,

Nem olhos viram, nem ouvidos ouviram

Nem penetrou no coração do homem

Aquilo que D'us tem preparado para os seus filhos.

No paraíso não haverá mais guerras, não existirá mais morte,

Pois o pecado foi aniquilado,

O homem olhará para a árvore do conhecimento do bem e do mal

E se lembrara de tudo,

Que é melhor servir a D'us e ser obediente a sua lei, aos seus estatutos, as suas ordenanças, a ser fiel aos mandamentos e amar os preceitos do Eterno.

O fruto da arvore da vida é mais saboroso e é para a vida eterna.

Não mais em tábuas de pedras, mas através do Espírito Santo

A Torah para sempre habitará em nossos corações.

Todo Israel e a igreja de Cristo serão um no amor do Messias,

Assim como o Messias é um com o Pai,

Nós seremos um no Messias.